Futebol

Primeiro-ministro da Albânia considera que decisão da UEFA é injusta

Primeiro-ministro albanês, Edi Rama, considerou injusta a decisão da UEFA de atribuir à Albânia uma derrota por 3-0 no jogo contra a Sérvia, de qualificação para o Euro 2016

"Hoje não foi feita justiça", afirmou Edi Rama

SRDJAN SUKI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro albanês, Edi Rama, considerou nesta sexta-feira injusta a decisão da UEFA de atribuir à Albânia uma derrota por 3-0 no jogo contra a Sérvia, de qualificação para o Euro 2016 em futebol, interrompido devido a confrontos. “Hoje não foi feita justiça, tendo em conta o que aconteceu no estádio de Belgrado”, declarou Rama na rede social Twitter.

Rama apoiou a decisão da federação albanesa de futebol de recorrer da sanção aplicada pela UEFA, que atribuiu à Albânia uma derrota por 3-0 e retirou três pontos à Sérvia, bem como dois jogos em casa à porta fechada. Tanto a federação da Albânia como a da Sérvia foram multadas em 100 mil euros cada uma.

A 14 de outubro, o árbitro inglês Martin Atkinson interrompeu a partida Sérvia-Albânia [realizada em Belgrado] aos 42 minutos, quando jogadores das duas equipas e adeptos se envolverem em confrontos, depois de um “drone” telecomandado ter sobrevoado o relvado com uma bandeira que representava um mapa da denominada Grande Albânia.

“A decisão do comité da UEFA não é justa. Os três pontos pertencem à Albânia. Foi-nos retirado o que nos pertence”, criticou também o selecionador da Albânia, o italiano Gianni De Biasi. ” Já o secretário-geral da federação albanesa, Ilir Shulku, classificou a decisão da UEFA como “estranha e inaceitável”, acrescentando que vai recorrer e pedir os três pontos relativos a uma vitória.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)