O ex-primeiro-ministro José Sócrates sabia que, assim que aterrasse em Lisboa, ia ser detido, depois de três outras pessoas terem sido detidas também no dia anterior, admitiu o seu advogado ao Correio da Manhã. João Araújo acrescenta que irá usar o argumento no recurso que vai apresentar ao Tribunal da Relação de Lisboa para tentar reverter a prisão preventiva. A ideia é apelar ao juiz que o arguido sabia que ia ser detido e mesmo assim não fugiu, já que o perigo de fuga é um dos pressupostos que fundamentam a prisão preventiva. Outro argumento será a questão da corrupção, que João Araújo diz não haver indícios que apontem para esse crime.

Os investigadores, porém, suspeitam de que houve uma fuga de informação ainda anterior a quinta-feira.  Terá sido isso que apressou a detenção dos arguidos – para não haver risco de virem a ocultar ou desviar provas.

De acordo com o jornal Sol, o empresário e amigo Carlos Santos Silva e o advogado Gonçalo Ferreira, que foram detidos um dia antes de Sócrates, tinham estado com o ex-primeiro-ministro em Paris, numa viagem combinada previamente para alegadamente discutir questões relacionadas com o património do ex-governante. O facto de Sócrates não ter regressado a Lisboa na data prevista – a mesma data do advogado e do empresário – terá baralhado os investigadores e acelerado as detenções.

Segundo o jornal Sol, o encontro que os três marcaram em Paris terá ocorrido na sequência de uma eventual fuga de informação, que permitiu ao ex-primeiro-ministro saber com alguma antecedência que estava em curso uma operação para apurar a origem do seu dinheiro e do património imobiliário. Nesse sentido, Sócrates voou para Paris na terça-feira da semana passada, enquanto Santos Silva e Gonçalo Ferreira voaram para Londres no mesmo dia, alegadamente para tentar investir parte do dinheiro que estava numa conta do ex-primeiro-ministro na compra de apartamentos.

De Londres partiriam para Paris, onde Sócrates estaria a tentar vender a casa – que está em nome de Carlos Santos Silva. A viagem de regresso estava marcada para quinta-feira, em voos diferentes. O empresário e o advogado cumpriram o calendário, mas o ex-governante não embarcou nesse dia, adiando o regresso para sexta-feira à noite.