Quando se diz ou escreve que algo foi pensado ao pormenor, muitas vezes isso não passa de um recurso estilístico sem grande ligação à verdade. Mas no caso da novíssima marisqueira – abriu há duas semanas – dos mesmos responsáveis do Ibo, o restaurante luso-moçambicano do Cais do Sodré, a expressão pode utilizar-se sem quaisquer remorsos. É que até o pão torrado, elemento essencial para acompanhar uma mariscada que se pretenda decente, é fatiado de maneira própria. Mais: não é pão de mistura por acaso, mas sim por ser o melhor para a ocasião.

Agradeça-se a atenção ao detalhe a João Pedro Pedrosa, um dos sócios do Ibo e desta casa-irmã, quase siamesa, já que as paredes das cozinhas estão separadas por apenas metro e meio de rua. “Surgiu esta oportunidade e, já que decidimos avançar, quisemos dar primazia à qualidade do produto”, afirma, para justificar, entre outras coisas, porque é que a marisqueira tem viveiros próprios, com água do mar, cheios de lavagantes (dos azuis, ou seja, dos bons), santolas, sapateiras e ostras, entre outros habitantes de ocasião. “Sugiro sempre aos clientes que venham ver os viveiros, para saberem o que estão a comer e a pagar”, diz João Pedro, que até já tem uma ideia para fazer poupar a viagem aos mais ociosos: instalar câmaras nos aquários para que os clientes possam escolher a vítima que se segue através de monitores.

Ibo Marisqueira, marisco, marisqueira, marisqueira ibo, restaurante, comida,

João Pedro exibe um dos habitantes de ocasião dos viveiros da marisqueira. Assusta mas não morde.

Antes de o fazer, contudo, esses mesmos clientes poderão provar algumas das entradas da casa. As puntillitas (lulinhas) fritas ao momento, para encharcar em limão e mergulhar na maionese, são uma escolha óbvia. Mas também há presunto Castro y González, uma marca espanhola de família que cria os próprios porcos (ibéricos, claro) na Andaluzia, mas segue o processo de cura tradicional de Guijuelo, perto de Salamanca. Para dar formação na matéria à equipa da Ibo Marisqueira veio o campeão espanhol e mundial de corte de presunto. Leu bem, há um título mundial para o melhor cortador de presuntos, e não é por acaso. “É preciso saber como cortar, o que cortar, como equilibrar a carne e a gordura, como aproveitar a perna…isto é uma arte”, explica João Pedro.

Ibo Marisqueira, marisco, marisqueira, marisqueira ibo, restaurante, comida,

Cortar presunto é uma arte. Quem não o encara como tal é porque não o está a fazer bem.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Das entradas para o marisco propriamente dito – e enquanto se faz a transição a equipa de sala vai renovando os copos de imperial sem perguntar, como nas marisqueiras clássicas – a escolha é vasta e nacional, à exceção, claro, do famoso camarão tigre moçambicano, um dos pontos de ligação à casa-mãe, que se estendem a “apontamentos aqui e ali”, como lhes chama João Pedro. Há picantes com as malaguetas da terra, por exemplo, e não falta também Laurentina, a famosa cerveja criada ainda na era colonial.

Entre bivalves da ria Formosa – amêijoas, ostras ou lingueirão –, sapateira, lagosta, santola ou lavagante azul da costa Oeste, entre a Ericeira e a Lourinhã, camarão de espinho ou algarvio, percebes das Berlengas e de Vila do Bispo ou até, caso o mar esteja de feição, umas bruxas de Cascais, a escolha da contenda é coisa para provocar aquilo que em termos futebolísticos se designa por “boas dores de cabeça”. E isto sem sequer mencionar a opção arroz e cataplana de marisco. Se calhar fica-se por aqui, não? Nem pensar.

Ibo Marisqueira, marisco, marisqueira, marisqueira ibo, restaurante, comida,

Não é preciso recorrer à ementa para saber o que há. Basta olhar para o quadro preto.

É que se é para acontecer marisco, tem de acontecer prego (ou pica-pau) no final, como dizem todas os manuais de regras sobre o assunto, que nunca foram mas que também não precisam de ser escritos. E o prego é tanto mais obrigatório quando se trata, como neste caso, de boa carne do lombo, acompanhado de batatas fritas caseiras e uma particularidade: um molho de bife à parte, pensado para quem não gosta de mostarda. Lá está, pormenores.

Nome: Ibo Marisqueira
Morada: Rua da Cintura do Porto de Lisboa, Armazém A (Cais do Sodré)
Telefone: 21 342 3611 / 96 133 2024
Horário: De terça a sábado, das 12h30 às 15h30 e das 19h30 às 23h00. Domingos das 12h30 às 15h30. A partir de Março abrem em horário contínuo, de terça a domingo, das 12h00 à 00h00
Reservas: Aceitam
Preço médio: 30€ por pessoa