Rádio Observador

Costumes e Tradições

Biôco: a burka à algarvia que acabou por decreto. Vai uma máscara para o Carnaval?

1.453

Este traje tradicional do Algarve fez correr muita tinta a legisladores, mas também a poetas e jornalistas. Já não se vê nas ruas portuguesas - mas, quem sabe, talvez agrade como disfarce de Carnaval?

O biôco de Olhão é o traje que aparece à esquerda da primeira imagem (o outro é o rebuço). Algumas mulheres com o biôco

O biôco, este extraordinario biôco, é digno de chronica para esclarecimento e regalo do leitor estranho a esta região” (“O Algarve: notas impressionistas”)

Júlio Lourenço Pinto tinha razão. Sabe o que é o biôco? Se é daquelas pessoas que não gosta de pôr a perna ao léu, talvez seja uma ideia a considerar para o Carnaval. Ora cá vai uma explicação, dada por Raúl Brandão (em “Os Pescadores”, Porto Editora):

É um trajo misterioso e atraente. Quando saem, de negro, envoltas nos biocos, parecem fantasmas. Passam, olham-nos e não as vemos. Mas o lume do olhar, mais vivo no rebuço, tem outro realce… Desaparecem e deixam-nos cismáticos. Ao longe, no lajedo da rua ouve-se ainda o cloque-cloque do calçado – e já o fantasma se esvaiu, deixando-nos uma impressão de mistério e sonho. É uma mulher esplêndida que vai para uma aventura de amor? De quem são aqueles olhos que ferem lume?… Fitou-nos, sumiu-se, e ainda – perdida para sempre a figura – ainda o som chama por nós baixinho, muito ao longe – cloque…”

Já está a visualizar? O biôco é um traje tradicional português, especialmente da zona do Algarve, que se assemelha muito a uma burka: um vestido longo que cobre o corpo da mulher da cabeça aos pés, deixando apenas visíveis esses “olhos que ferem lume”.

Não é caso único nas vestes tradicionais em território nacional. Nos Açores, por exemplo, até meio do século XX era característico as mulheres usarem o capote, um traje muito semelhante ao biôco, com a diferença de que o capuz, designado capelo, ser de maior envergadura. O mesmo Raúl Brandão, noutro livro, tem a palavra:

A gente segue pelas ruas desertas, e, de quando em quando, irrompe duma porta um fantasma negro e disforme, de grande capuz pela cabeça. São quase sempre as velhas que o usam, mas as raparigas, metidas na concha deste vestuário, que pouco varia de ilha para ilha, chegam a comunicar encanto ao capote monstruoso. (…) Começo a achar interesse a este fantástico negrume e resolvo que devia ser o único trajo permitido às mulheres açorianas.”

Voltando ao biôco: segundo diversos blogues, o uso desta peculiar peça de vestuário foi proibido no Algarve por decreto do governador civil da região, em 1892. Era ele… Júlio Lourenço Pinto, o mesmo que, dois anos volvidos, assinava as palavras que abrem este artigo e parecia lamentar a regulação.

E o biôco, indestructivel como as pyramides do Egypto que medem a sua existencia pela dos seculos, foi sacrilegamente banido dos costumes algarvios”, dizia, atirando a responsabilidade da proibição para a “influencia da opinião publica”.

A proibição, contudo, parecia desnecessária, pois já havia uma regulação que proibia as mulheres de andarem com a cara tapada. E essa lei tinha sido produzida mais de 200 anos antes, como explica Joaquim José Caetano Pereira e Sousa em 1827 na obra “Esboço de hum diccionario juridico, theoretico, e practico remissivo às leis compiladas, e extravagantes”:

Pelo Decreto de 11 de Agosto de 1649, e Alvará de 20 do mesmo mes, e anno se prohibirão os rebuços das mulheres; e pelo outro Alvará de 6 de Outubro do mesmo anno se declarou que as mulheres devião andar com a cara descoberta, ou, havendo de trazer biôco, devião trazer o manto cahido até aos peitos”.

A verdade é que o decreto parece ter sido letra morta. Por um lado, o referido texto de Raúl Brandão é de 1922, havendo outros posteriores que referem o traje. Por outro lado, em 1920, a revista Ilustração Portugueza publicou uma reportagem intitulada “Algarve: Jardim da Europa”, onde o autor, por entre relatos idílicos de uma vida campestre hoje estranha àquela região, fala do biôco como uma realidade a desaparecer, mas ainda presente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)