Rádio Observador

Comida

Estes desenhos são de comer e chorar por mais

Se há quem tenha por hábito fotografar o que come, Ana Gil vai mais longe. Esta ilustradora lisboeta gosta de desenhar o que lhe servem. Sim, às vezes a comida arrefece. Mas o resultado é delicioso.

Para quem gosta de comer bem é fácil desenvolver uma relação de amor-ódio com os inúmeros utilizadores de redes sociais que se dedicam exclusivamente a colocar boas fotografias de comida nos seus perfis. É bonito? É. Apetece ver? Apetece. Provoca inveja? Provoca.

Ana Gil, ilustradora lisboeta, podia ser uma dessas pessoas. Afinal, sentido estético não lhe falta e apetite também não. Mas Ana não se limita a fotografar o que vai comendo aqui e ali. Quando a comida chega, abre-se o caderno diário que acompanha a artista e a sua mão esquerda faz o resto. “Comecei a fazer ilustração das minhas garfadas diárias para me entreter enquanto fazia as refeições sozinha”, explica. O resultado é depois colocado na sua conta de Instagram para inveja, perdão, para apreciação, dos seus quase 11 mil seguidores.

Ana Gil Fotografia

Ana Gil, a responsável pelos cozinhados de que se fala aqui.

Formada em arquitetura mas dedicada à ilustração, Ana Gil conta que durante 16 horas do seu dia só pensa em “desenhar, desenhar, desenhar”. É, por isso, natural que quando o apetite mais ordena, se junte a fome à vontade de criar. Por vezes, são indispensáveis alguns cuidados especiais. “Com companhia, é preciso ter atenção! Caso não me apresse irá sobrar muito pouco que comer no final. Já aconteceu. Ainda hoje não sei o que são percebes…” conta Ana, que deixou escapar a oportunidade de provar o bicho enquanto desenhava a mariscada correspondente.

Por vezes, o problema é outro: enquanto desenha a comida vai arrefecendo. Com algumas exceções, claro. “Das poucas comidas com as quais me posso alongar sem receio de arrefecimento é o sushi. Há tempo!”

Todos os desenhos de Ana acontecem por sua iniciativa. Ou seja, os restaurantes não lhe oferecem refeições para que as desenhe. “Mas já aconteceu fazer trocas e desafios do momento. O teu melhor cocktail por um desenho meu.”

daniel milao cocktail

O barman Daniel Milão ofereceu-lhe este cocktail em troca do desenho correspondente.

O que também não é importante é o sítio em que a arte acontece. O importante é a vontade de desenhar o que vai comer e não onde o vai fazer, seja no Eleven ou num qualquer café de beira de estrada. “Pode acontecer tanto num restaurante estrelado como numa taberna, lá em casa ou num bar, no país ou em qualquer lugar do mundo”, diz.

Cada fotografia das ilustrações vem acompanhada de versos ou citações. Muitas vezes parece não haver uma relação imediata das palavras com os traços. É mesmo assim. “Escolho por impulso, pelo facto de o desenho me sugerir algo por palavras. Que podem não ser literais ao tema da ilustração”

Para já, Ana não planeia fazer destes desenhos uma série de diários gráficos gastronómicos. E explica porquê. “Gosto de publicar os desenhos que quero. Os meus desenhos não são todos para mostrar, mas principalmente para eu saber um pouco mais de mim, diariamente.” Muitos deles servem posteriormente como inspiração para outros trabalhos da ilustradora, esses sim já publicados.

Apesar de estarem acessíveis ao mundo, há um lado pessoal bem vincado nestes desenhos. O que a move, então?

“Os meus percursos. As coisas boas que saboreio. E não esquecer. Desenhar para não mais esquecer que estive, comi e vivi aqui. São para mim.” Felizmente, para quem está deste lado, também são para todos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)