Cerca de 6.000 pessoas a residir na área do monte Sinabung, na ilha indonésia de Samatra, foram retiradas pelas autoridades que emitiram um alerta devido ao aumento da atividade vulcânica, informou hoje a Agência para Gestão de Desastres.

“Existe risco de avalanches, seguidas de rios de lava e cinza num raio de sete quilómetros no sul e leste da colina”, especificou o porta-voz do organismo, Sutopo Purwo Nugroho.

Dezasseis pessoas morreram em fevereiro de 2014, na sequência da erupção vulcânica do Sinabung, particularmente ativo desde setembro último.

O Sinabung despertou pela primeira vez em agosto de 2010 depois de ter passado 400 anos adormecido.

Mais de 25 mil pessoas tiveram que ser retiradas entre 2013 e 2014 pelas repetidas erupções de lava, pedras e cinza, das quais ainda aproximadamente 2.000 permanecem em abrigos temporários até hoje.

A Indonésia assenta sobre o chamado Anel de Fogo do Pacífico, uma área de grande atividade sísmica e vulcânica, albergando mais de 400 vulcões, dos quais pelo menos 129 continuam ativos e 65 são qualificados como perigosos.