Ciência

Portugal lidera consórcio europeu para desenvolver novo tratamento para cancro

Matar o tumor sem causar danos nas células saudáveis. Este é o novo tratamento para o cancro que um consórcio europeu vai desenvolver, liderado por Portugal.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Portugal lidera um consórcio europeu que se propõe desenvolver uma nova terapia para o cancro, que mata o tumor sem causar danos nas células saudáveis, como acontece com as terapêuticas convencionais como a quimioterapia.

O investigador Gonçalo Bernardes, coordenador do projeto, lembrou à Lusa que “as drogas que são atualmente usadas não conseguem distinguir a célula saudável de uma célula cancerígena”.

Nesse sentido, adiantou, o que o consórcio pretende fazer “é conjugar essas drogas com umas moléculas que se chamam anticorpos, que são específicos para moléculas que estão presentes na superfície das células cancerígenas e, dessa forma, direcionar as drogas convencionais para as células cancerígenas”.

Segundo Gonçalo Bernardes, coordenador do Laboratório de Biologia Química e Biotecnologia Farmacêutica do Instituto de Medicina Molecular de Lisboa (IMML), podendo aumentar-se a concentração das drogas tóxicas no tumor, sem atingir as células saudáveis, aumenta-se a eficácia do tratamento e a eliminação de células cancerígenas.

A equipa de trabalho, que agrega 30 a 40 elementos, espera usar este novo tratamento como primeira medicação para o tratamento do cancro, de qualquer tipo de cancro, tendo em conta o seu estado de desenvolvimento.

O projeto obteve um financiamento de 2,5 milhões de euros para quatro anos, do programa europeu de bolsas “Ações Marie Curie”, que permitirá criar a nova classe de moléculas – os anticorpos conjugados com moléculas tóxicas – e testá-la em ratinhos.

Do consórcio europeu fazem parte instituições académicas e laboratórios farmacêuticos de Portugal, Espanha, Reino Unido, França, Alemanha, Áustria e Suíça.

Portugal está representado pelo IMML e pela Faculdade de Farmácia de Lisboa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Natureza

Naturalmente

Ricardo Mendes Ribeiro

A natureza é resiliente, capaz de adaptar-se às asneiras que fazemos. O que não muda são as suas leis. Por isso, as tentativas de redefinir o ser humano mais tarde ou mais cedo chocam com a realidade

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)