São os dois casos mais recentes que estão a agitar a justiça em Portugal e que foram agora alvo de um comunicado por parte da Procuradoria-Geral da República (PGR): as investigações à Portugal Telecom (PT) e o caso Lava Jato, em relação ao qual irá existir uma colaboração entre a justiça portuguesa e a justiça brasileira.

Numa nota enviada às redações, o gabinete de Joana Marques Vidal assume que “existem investigações em curso relacionadas com a PT, as quais se encontram em segredo de justiça”. “No âmbito destas investigações, e de outras que venham a revelar-se pertinentes, o Ministério Público não deixa de investigar todos os factos com relevância criminal que cheguem ao seu conhecimento”, acrescenta. Apesar de confirmar que há investigações em curso, a PGR não adianta por agora mais nada em relação ao âmbito das mesmas, nem revela que suspeitas estão por detrás das diligências levadas a cabo pelo Ministério Público.

Sobre o caso Lava Jato, que está a agitar a política e a justiça brasileiras, e que tem ramificações em Portugal, a PGR comunica que “recebeu, das autoridades brasileiras, pedido de cooperação judiciária internacional, através de carta rogatória”, pedido esse que se insere no âmbito da Operação Lava Jato.

A PGR adianta ainda que este pedido, que chegou das autoridades brasileiras, foi remetido para “execução ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP)”.

E, tal como no caso anterior, ressalva que está tudo em segredo de justiça, “pelo que o seu objeto e diligências realizadas ou a realizar não podem ser divulgados”.