As contas que Armando Vara e a filha, Bárbara, abriram em conjunto, na Suíça, estão sob a investigação no Ministério Público, como o Observador adiantou há cerca de um mês.

Esta sexta-feira, o Correio da Manhã diz que estarão em causa dois milhões de euros, que a investigação suspeita terem sido a contrapartida recebida pelo antigo administrador da Caixa Geral de Depósitos pela sua participação nos negócios envolvendo o empreendimento Vale do Lobo, no Algarve. Recorde-se que o banco do Estado foi a instituição que concedeu o crédito (200 milhões de euros) para a construção do resort.

O procurador Rosário Teixeira pediu acesso aos dados do banco suíço, para rastrear as alegadas “luvas”.

No primeiro interrogatório judicial, em julho, Armando Vara foi confrontado com estas suspeitas. As contas na Suíça já estariam a ser investigadas há vários meses.

Armando Vara foi detido em julho, no âmbito da Operação Marquês, e está em prisão domiciliária com pulseira eletrónica.