Esta não é a casa do glamour e da fantasia Disney. É o completo antídoto da magia de Bela Adormecida e do Mickey. Em “Dismaland“, o parque temática criado pelo artista de rua Banksy, a proposta é outra: visitar um castelo encantado a cair aos bocados, assistir ao capotamento do coche da Cinderela e descobrir que, afinal, há uma princesa morta na realeza da Disney.

A partir de dia 22 de agosto e até 27 de setembro, quem se atrever a entrar neste caricato parque de diversões vai poder assistir a produções artísticas de Damien Hirst, Jenny Holzer ou Jimmy Cauty. Tudo isto por apenas três euros, construído num resort inglês abandonado há 15 anos em Weston-super-Mare.

Entre os 47 artistas internacionais convidados por Bransky está Rita Gomes, uma ilustradora mais conhecida por “Wasted Rita” que vai expor Bankrupt, I have no fucking ideaDiarrhea (trabalhos autobiográficos) e Love Letters (conjunto de cartas de amor recolhidas pela artista durante o Super Bock Super Rock), conta o Dinheiro Vivo. E também vai poder assistir a concertos de Massive Attack e de Run The Jewels.

Uma das maiores atrações do parque vai ser o espetáculo de fantoches com uma personagem representando Jimmy Saville, o apresentador e locutor da BBC que foi acusado de pedofilia. Mas dentro de Dismaland também existe interação com o público: pode tirar fotos com baleias assassinas, atirar os livros de Jeffrey Archer para uma fogueira e tirar fotografias com uma princesa morta. Porque “uma princesa morta só está completa quando cercada de multidões com câmaras”, diz Banksy à Time.

À BBC, Banksy explica o sentido de criar um festival artístico com base na anarquia: “este é um parque temático cujo principal tema é os parques temáticas deviam ter temas maiores“.

Artigo atualizado com o vídeo, publicado na página de Banksy no dia 25 de agosto.