Ligue o seu telemóvel. Quantas aplicações tem instaladas e que nunca abriu? Muitas, provavelmente. E grande parte delas vinham já instaladas de origem, certo? Pois, em breve, estas apps pré-instaladas — as tais que nem sequer podiam ser apagadas — vão deixar de ser um problema. Pelo menos para quem tem iPhone.

Tim Cook deu uma entrevista ao site BuzzFeed. Confrontado com o problema, o diretor executivo da Apple explicou que se trata de “uma questão mais complicada do que parece à primeira vista”. “Há apps que estão relacionadas com outra coisa qualquer do iPhone”, explicou Cook. E caso fossem apagadas, poderiam “causar problemas noutra parte do iPhone”.

Mas “há algumas que não são assim”. E em relação a permitir que estas sejam desinstaladas, Cook respondeu: “Creio que, com o tempo, encontraremos uma forma [de permitir isso].”

John Paczkowski, editor do site, referia-se a aplicações móveis como a “Dicas” e “Bolsa”, que vêm instaladas de origem no iPhone. Tim Cook reconheceu que há quem as queira apagar e que, por isso, a Apple está “a estudar [o problema]”.

Nós queremos que sejas feliz. Eu reconheço que algumas pessoas querem fazer isso, e é algo que estamos a estudar.” — Tim Cook, CEO da Apple

Os telemóveis da Apple não são os únicos a trazerem, de origem, aplicações móveis que a generalidade do público não utiliza. Quem usa Android enfrenta o mesmo problema, ao ver o seu aparelho ser carregado com aplicações pelas operadoras, pelas marcas e pela Google (detentora do Android).

Em meados de agosto, o site Android Central avançou que aplicações como o Play Games, Play Books, Google+ e Quiosque deixaram de ser um requisito obrigatório na instalação do Android, ficando ao critério das marcas incluir ou não estas apps nos dispositivos.

No entanto, alguns utilizadores continuam a queixar-se da carga de apps instaladas de origem nos smartphones. Tal como nos telemóveis da Apple, estas aplicações não podem ser apagadas (embora alguns utilizadores avançados consigam romper com o bloqueio e forçar a remoção das mesmas). Agora, com estas declarações de Tim Cook, é provável que em breve o possa fazer de forma simples no iPhone.