Filhos, trabalho, cansaço, falta de motivação e dinheiro. Os motivos para não exercitar o corpo aos 40 anos são muitos e variados, num verdadeiro “efeito bola de neve”: quanto mais tempo passamos sem fazer atividade física, menos vontade temos de iniciar.

Caso queira mudar de ideia, o jornal El País convidou alguns profissionais da saúde para dar seis recomendações de como entrar em forma aos 40 anos.

“A prática regular de exercício físico constitui um meio saudável, barato e seguro de prevenção e de tratamento de muitas das doenças relacionadas ao sedentarismo”, explica Mikel Izquierdo, diretor do departamento de Ciências da Saúde da Universidade de Navarra à publicação. “Num contexto de envelhecimento da população, a prática de exercício físico é a intervenção mais eficaz”, defende o médico.

1- Fazer um checkup antes de começar

Realizar um eletrocardiograma e um exame físico completo são o primeiro passo para quem pretende iniciar a prática desportiva com regularidade. “É necessário assegurar que o coração esteja saudável, uma vez que fazer exercícios de alta intensidade pode favorecer o surgimento de arritmias ou anginas de peito”, explica à publicação Ignacio Echeverría, cardiologista do Centro de Alto Rendimiento del Hospital Mesa del Castillo.

2 – Passos curtos e firmes

Começar a fazer exercício físico de forma gradual com baixa intensidade é importante para garantir o correto desenvolvimento do corpo. “Com isto já se favorece a condição física, os níveis de colesterol diminuem e permite controlar melhor os níveis de glicemia”, relata Echeverría.

E qual é a frequência correta para a prática física? De acordo com José Calabuig, diretor do serviço de cardiologia e professor de medicina do desporto da Universidad de Navarra,” o mais recomendado é até quatro ou cinco dias por semana”. “O exercício é saúde, mas com consciência”, diz à publicação.

3 – Escutar o corpo

Calabuig aconselha prudência com o excesso de atividade física. ” Num momento determinado é possível fazer exercício intenso, como andar de bicicleta e subir durante 10 minutos uma montanha, mas forçar demasiado seria contraproducente”, defende o médico, que recomenda o descanso do treino físico de um ou dois dias durante a semana.

Echeverría diz que escutar o corpo é essencial. “Os sinais fundamentais de que o coração não está a passar bem é algum tipo de incómodo na zona do peito e cuja intensidade aumenta com o esforço. E uma sensação de fatiga desproporcionada, quando uma atividade que podíamos fazer na semana passada torna-se cansativa, ou a sensação de perda de conhecimento e alterações do ritmo cardíaco”, contou ao El País. Echeverría advertiu ainda para a chamada “moda das maratonas e meia maratonas”, e indicou acompanhamento médico antes de inscrever-se em eventos desportivos que exijam um preparo físico mais elevado.

4 – Exercitar a força

“Uma pessoa que não faz exercícios que requeiram força aos 20 e 30 anos de idade, poderá ter dificuldades para levantar-se da cadeira ou da cama entre os 75 e 85 anos”. É desta maneira que Izquierdo explica a necessidade de trabalhar a potência dos músculos. No entanto, recomenda sensatez antes de começar a trabalhar com elementos mais pesados. ” Há pessoas que entram no ginásio e já levantam 50, 70 quilos e isto não é conveniente já que pode ser perigoso: podemos romper um músculo, além de aumentar muito a pressão arterial”, assinala. Izquierdo recomenta exercícios com baixa carga e muita repetição.

SAN ANSELMO, CA - MARCH 14: Class participants warm up with a bar bell during a CrossFit workout at Ross Valley CrossFit on March 14, 2014 in San Anselmo, California. CrossFit, a high intensity workout regimen that is a constantly varied mix of aerobic exercise, gymnastics and Olympic weight lifting, is one of the fastest growing fitness programs in the world. The grueling cult-like core strength and conditioning program is popular with firefighters, police officers, members of the military and professional athletes. Since its inception in 2000, the number of CrossFit affiliates, or "boxes" has skyrocketed to over 8,500 worldwide with more opening every year. (Photo by Justin Sullivan/Getty Images)

5 – Cuidar da coluna

Com a passagem do tempo, a coluna é uma das partes do corpo que mais sofrem com o sedentarismo. Calabuig relata que à medida que envelhecemos, tendemos a curvar-nos para a frente, porque a musculatura da parte frontal do corpo é a mais forte. Apesar de haver nos ginásios aparelhos para fortalecer a coluna, o médico recomenda um exercício que se pode fazer em casa. Basta encostar todo o corpo à parede, com a cabeça a olhar para frente, e abrir os braços, com os cotovelos e a palma da mão a tocar a superfície. “Apenas com cinco minutos ao dia, é possível conseguir o objetivo de endireitar a coluna. E, além disso, fortalecemos a musculatura, já que fazemos um alongamento em outros músculos que têm a tendência a contrair-se”, justifica.

6 – Divertir-se antes de tudo

“O mais importante é divertir-se com o desporto e não matar-se com ele”. Para Calabuig, este é o espírito com o qual se deve praticar desporto, independente da idade, e que vai garantir a continuidade em qualquer atividade física.