Rádio Observador

NATO

NATO. Espanha recebe “maior exercício militar” desde a Guerra Fria

Espanha receberá a partir desta quarta-feira o maior exercício militar feito pela NATO desde a Guerra Fria, para a fase real do "Trident Juncture". Portugal contribuirá com tropas.

Serão cerca de 20 mil os militares que chegarão a Espanha para a fase real do Trident Juncture 2015

© Hugo Amaral/Observador

Espanha recebe a partir de quarta-feira mais de 20 mil militares de várias nacionalidades, entre as quais portugueses, para a fase real do Trident Juncture 2015, o maior exercício militar da NATO desde o fim da Guerra Fria.

O fase real do Trident decorrerá até 06 de novembro em 16 cenários em Portugal, Itália e Espanha, mas metade destes são em território espanhol.

O teatro de operações do Trident Juncture visa simular um conflito entre países fictícios do Corno de África. A NATO vai assim treinar “operações de combate, de controlo de território, de estabilização e resolução de crise humanitária”, informou o ministério da Defesa de Espanha.

O maior contingente das forças armadas espanholas provém do Exército de Terra, que terá em operações 4.700 militares, 93 blindados, 23 carros de combate e seis helicópteros, dois deles de ataque e quatro de apoio e transporte de pessoal. As forças do exército espanhol pertencem a 13 unidades, com destaque para a Brigada de Infantaria Ligeira Aerotransportada “Galicia VII”, com mais de 40 blindados e artilharia de campanha.

A Brigada de Cavalaria “Castillejos II” vai colocar em manobras oito carros de combate Centauro, 15 Pizarro e outros 43 blindados. Já a Armada espanhola mobilizou 2.650 efetivos e 13 navios de guerra, entre os quais o navio de proteção estratégica Juan Carlos I, o navio de assalto anfíbio Castilla e as fragatas Blas de Lezo, Álvaro de Bazán e Numancia. O navio Cantabria estará no Golfo de Cádis e no estreito de Gibraltar, para dar apoio logístico aos outros navios da NATO. Também participam no exercício quatro helicópteros da Marinha e dois aviões.

A força aérea espanhola – em Espanha chamado Exército do Ar -, por sua vez, participa com 500 militares, 29 aviões e dois helicópteros. O destaque vão para a presença de 12 dos novos Eurofighter e, em pessoal, o Esquadrão de Sapadores Paraquedistas.

As operações em Espanha decorrerão em Saragoça, Albacete, Madrid, Palma de Maiorca, Cádis e Almería. Os locais serão bases aéreas e centros de treino nestas várias cidades e o Campo de Manobras e Tiro de Almería.

No decorrer da primeira fase do exercício Trident Juncture 2015, a fase de comando (seguindo-se agora a fase real), o Quartel-General Terrestre de Alta Disponibilidade do Exército de Terra espanhol, com sede em Bétera (Valência) recebeu a certificação para dirigir a componente terrestre da Força de Resposta Aliada (NRF) em 2016.

O Trident Juncture 2015 é dirigido pelo Comando Conjunto Aliado com base em Brunssum (Bélgica), conhecido pelo acrónimo em inglês JFCBS (Joint Force Command Brunssum).

No total dos três países – Portugal, Espanha e Itália – o Trident Juncture 2015 junta mais de 36 mil militares de 30 nações.

Portugal vai receber, até ao final do exercício, mais de 10 mil efetivos de 14 países.

Além dos militares que participam diretamente no exercício (940 integrados na Força de Resposta da NATO e 2.016 e 2.220 nos meios complementares, Portugal disponibiliza ainda mais 3000 militares para funcionarem como forças de apoio, totalizando em cerca de 6.000 os efetivos portugueses envolvidos neste exercício.

Em Portugal, o exercício militar de grande visibilidade decorre nas zonas de Beja, Santa Margarida, Tróia e Setúbal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ocidente

A família transatlântica /premium

João Carlos Espada

Apesar da vincada variedade de preferências políticas dos inúmeros participantes do Estoril Political Forum, todos subscreveram os apelos de Churchill e Thatcher à unidade do Ocidente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)