Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O que é o/a Silver Spoon?
Silver Spoon é um projeto dinamarquês, fundado por Tiffany Ng, especialista naquilo a que chama guerilla dining: jantares temáticos que ocorrem sempre em locais secretos, divulgados apenas umas horas antes de acontecerem, e com menus que só os chefs conhecem, até começarem a ser servidos. 

O nome, de facto, não me é estranho. Já passaram por cá, certo?
Certíssimo. O primeiro jantar por eles organizado em Lisboa aconteceu no final de 2013, na estação de metro do Terreiro do Paço. Depois, repetiram a visita por várias ocasiões, a última das quais em abril. Pelo meio organizaram eventos também em Sagres e no Porto, embora desta vez se fiquem pela capital.

deepsea, lisbon, Lissabon, silverspoon,

O primeiro jantar Silver Spoon em Lisboa foi assim, nas profundezas da estação de metro do Terreiro do Paço (foto: DR / Silver Spoon)

Com o que é que posso contar num jantar destes?
Com tudo. Chamar-lhes jantares, na verdade, é um pouco redutor. São experiências sensoriais, são aventuras, são o que se lhes quiser chamar, dentro do género. Uma coisa é certa, vão bem para lá da comida que é servida: tudo o resto, dos cenários aos figurantes, dos talheres ao serviço de pratos (ou ausência deles) está pensado ao pormenor. Geralmente, a organização divulga o tema e pouco mais. 

Ok, então. Qual é o tema desta edição?
A designação é “All the World’s a Stage” [Todo o Mundo é um Palco], uma frase de William Shakespeare que abre um dos monólogos da sua peça As You Like It (conhecida em Portugal por Como vos Aprouver). No dito monólogo, o poeta e dramaturgo britânico reflete sobre a existência humana: homens e mulheres serão, afinal, meros atores de uma peça que é a vida. Assim, a organização lança o seguinte repto: “Assim, como em dias de celebração, também neste evento se espera que os convidados coloquem o seu melhor fato de domingo e encarem esta ocasião com a mesma intensidade e entrega com que entrariam num palco.” À linguagem shakespeariana junta-se aquilo que é definido como uma “interpretação histórica e cinematográfica do norte-americano Thanksgiving.”

RG (37 of 167)

Nunca falta criatividade, tanto nas ementas como nos locais escolhidos para os eventos. (foto: DR / Silver Spoon)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Resumindo, portanto…
Resumindo, portanto, trata-se de um jantar de Acção de Graças shakespeariano, hollywoodesco, com dress code à anos 20 recomendado e festarola incluída no final.

Ó diabo. Festarola?
Festarola, borga, pândega, estroinice, farra. Serve o coloquialismo para explicar o seguinte: ao contrário do que aconteceu nos outros jantares Silver Spoon, em que a experiência terminava no café, depois da sobremesa, o espaço escolhido está, segundo a organização, “preparado para receber os convidados após o jantar, para um charuto, mais um copo, talvez um pé de dança.”

Mas para festejar a sério só se a comida antes valer a pena. Quem vai cozinhar?
O menu será desenvolvido a quatro mãos. As primeiras duas são do chef dinamarquês Ronni Mikkelsen, que trabalhou no Aska, um restaurante escandinavo que funcionou durante ano e meio numa galeria de arte nova-iorquina (e que chegou a ganhar uma estrela Michelin antes de encerrar, em março de 2014) e que abrirá, em breve, o seu próprio restaurante em Copenhaga. As outras duas são de um chef mais conhecido dos lisboetas, o francês Pascal Meynard, responsável pela cozinha do Varanda do Ritz.

E não se sabe mesmo o que vão cozinhar?
Não. Apenas se sabe que são sabores de outono e que o menu, de cinco pratos, será acompanhado por champanhe. De resto, só mesmo embarcando na aventura. E fica o aviso: já não há muitos lugares disponíveis.

O quê? Jantares Silver Spoon, “All the World’s a Stage”
Quando? 25, 26, 27 e 28 novembro de 2015, a partir das 19h30
Onde? Em Lisboa. A localização exata será revelada 24 horas antes do evento
Quanto? 95€ com tudo incluído
Como reservar? Através deste link. Mais informações pelo email info@silverspooncph.com