Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Dois negociantes de arte franceses identificaram “O Paciente Inconsciente (O Sentido do Olfato)” de Rembrandt, que se estima ter sido pintado entre 1624 e 1625. No ano passado, o quadro foi a leilão em New Jersey como sendo uma pintura do século XIX de um artista desconhecido da Escola Europeia Continental, mas Bertrand Gautier e Bertrand Talabardon reconheceram aquela que é apontada como uma das primeiras obras do pintor holandês.

Gautier e Talabardon não foram os únicos a reconhecer a obra, e o preço do quadro ultrapassou os 910 mil euros (um milhão de dólares), mas acabou por ir para a sua galeria, em Paris.

A obra foi criada no início da carreira de Rembrandt, quando tinha 18 ou 19 anos, na altura em que terminou os seus estudos em Amesterdão e regressou a Leiden, a sua terra natal.

A pintura faz parte de uma série de cinco quadros que retrata os cinco sentidos. “O Paciente Inconsciente (Sentido do Olfato)” mostra uma mulher a segurar um lenço, provavelmente com sais para cheirar, debaixo do nariz de um homem que desmaiou depois de um cirurgião lhe ter feito um sangramento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A CBC News conta que o quadro não foi identificado mais cedo porque, no século XVIII foi alvo de uma intervenção para que se parecesse mais com um quadro de Rembrandt. O quadro foi aumentado e escurecido nas margens para lhe acrescentar “drama” e dar-lhe uma iluminação mais semelhante ao estilo do pintor.

Gautier e Talabardon mandaram restaurar o quadro e puseram-no numa moldura que, quando fechada, mostra apenas a parte pintada por Rembrandt, e, quando aberta, mostra a totalidade do quadro, incluindo as intervenções de que foi alvo mais tarde. O restauro revelou as letras “RF” ou “RHF”, que acreditam que significa “Rembrandt Harmensz fecit” — feito por Rembrandt, cujo nome completo é Rembrandt Harmenszoon van Rijn.

Na quinta-feira, o quadro genuíno que Rembrandt pintou entre 1624-1625, esteve em exibição na entrada do stand da galeria na prestigiada feira de arte TEFAF, em Maastricht. O óleo sobre tela despertou a atenção dos visitantes da feira, mas já foi vendido à coleção privada Leiden, em Nova Iorque, que já tem dois dos outros quadros dos “sentidos”.