História

Hoje é dia do estudante. Em 1969 foi assim a luta com as “capas negras”

2.670

Quando Américo Tomaz não deu a palavra aos estudantes, a luta pela democracia em Portugal começou a vestir o traje de Coimbra. No Dia Nacional do Estudante, recorde aqui a Crise Académica de 1969.

17 de abril de 1969. A Universidade de Coimbra estava a inaugurar o Departamento de Matemática e o presidente Américo Thomaz seguiu para a capital dos estudantes com o ministro da Educação, José Hermano Saraiva, numa época em que a contestação estudantil estava em alta. Quando a comitiva chegou a Coimbra foi recebida por um mar de capas negras com cartazes em protesto. Estavam nas ruas e nas faculdades e não havia forma de o regime as ignorar.

Américo Thomaz entrou no novo edifício e discursou perante um público de apoiantes, até porque os estudantes foram mantidos fora da Sala 17 de Abril, onde a reunião estava a acontecer. No final do discurso, o presidente da Direcção-Geral da Associação Académica de Coimbra (Alberto Martins, hoje um destacado militante do PS, ex-ministro da Justiça) sobe para cima de uma cadeira com a capa aos ombros e diz: “Em nome dos estudantes de Coimbra, peço a palavra”. A palavra não lhe foi dada: o Presidente da República, mesmo atrapalhado, introduz o discurso do ministro das Obras Públicas e a sessão termina logo a seguir. Foi a gota de água: as vaias que acompanharam a saída da comitiva anunciaram o início da Crise Académica de 1969.

Ainda a 17 de abril, Alberto Martins foi detido e passou a noite na cadeia. A comunidade estudantil estava pronta para agir, mas fê-lo a partir de 22 de abril quando oito estudantes da Universidade de Coimbra foram suspensos e proibidos de assistir às aulas. A Assembleia Magna decretou luto académico e as aulas foram substituídas por reuniões e debates precisamente na sala nova da Universidade. O governo adjetivava as iniciativas dos estudantes como uma “onda de anarquia que tornou impossível o funcionamento das aulas”. E apesar de os meios de comunicação social estarem proibidos de escrever, falar ou mostrar o que se passava em Coimbra, alguns deles conseguiram fazê-lo de modo subtil. Foi o caso do Diário de Coimbra, que usava recursos estilísticos para explicar algumas operações que os estudantes levavam a cabo no centro da cidade.

Quando José Hermano Saraiva admitiu alguma fragilidade perante a revolta estudantil, a Universidade fecha mas mantendo o calendário de exames. A Associação Académica de Coimbra lança então um documento intitulado “Carta à Nação” que pede “uma universidade nova num Portugal novo” e equaciona uma greve aos exames. Foi como colocar todos os trunfos em cima da mesa: se os universitários decidissem mesmo boicotar o calendário de exames estavam a chumbar deliberadamente e a colocar um pé em África, o que representava uma ameaça direta de serem mobilizados para as Forças Armadas e enviados para a guerra colonial. Avançaram: mais de 5000 pessoas votaram a favor do boicote e menos de 200 anunciaram que iriam fazer os exames.

A Academia dividiu-se assim entre “grevistas” e “fura greves”: a 2 de junho – uma segunda-feira e o primeiro dia de greve – vários estudantes chegaram à universidade acompanhados pelos pais. Uns iam obrigados pelos próprios, que não queriam ver as propinas investidas em Coimbra a serem perdidas em nome de uma crise; outros porque temiam as consequências no final desta onda de revolta; um grupo importante fazia-o por convicção, como o liderado por José Miguel Júdice.

Ao longo dos dias de exames os estudantes agitaram a cidade: uns distribuíam flores pelos habitantes de Coimbra, outros lançavam balões com mensagens de ordem nas praças. A profusão era tanta que a Guarda Nacional Republicana invadiu o espaço urbano e chegaram até a circundar a Sé Velha de Coimbra. Em julho chegaram os números: quase 87% dos estudantes tinha faltado aos exames. Os outros 13% viram os seus rostos espalhados na cidade com o título de “traidores”.

Entretanto, a 22 de junho, realizava-se a final da Taça de Portugal: nas meias-finais – disputadas a 15 de junho – os estudantes da equipa da Académica tinham vencido ao Sporting por 1-0. Lisboa encheu-se de capas negras e de cartazes de protesto: no estádio, onde a Académica ia jogar contra o Benfica, esperava-lhes um enorme aparato policial. Mas não o Presidente: pela primeira vez, Américo Thomaz faltou ao evento e o jogo de futebol nem sequer foi transmitido pela RTP, ao contrário do que já então era habitual. No final, os estudantes saíram derrotados por duas bolas a uma, mas não foi essa derrota que impediu os jogadores de colocar as capas aos ombros, em sinal de luto.

Apesar da persistência dos estudantes, muitos deles acabariam por ser obrigados a abandonar os estudos e a seguir para África. A Estação de Coimbra-B encher-se-ia de antigos universitários que agora iriam vestir a farda portuguesa noutro continente. Nem nesse momento os jovens se calaram: gritavam em protesto contra a guerra e contra o regime.

Em 1987 a Assembleia da República Portuguesa votou que o dia 24 de março passasse a servir de homenagem à comunidade universitária que lutou pela liberdade em Portugal: estava instaurado o Dia Nacional do Estudante.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
História

A vingança de Ungo-Daizenji

José Miguel Pinto dos Santos
192

Como seria o mundo se os operários venezuelanos e camponeses norte-coreanos, utentes da Carris e contribuintes deste país, emulassem Heishirō, o porta-sandálias, e não ficassem parados a queixarem-se?

Crónica

António Patrício Gouveia /premium

Maria João Avillez
294

Tínhamos a vitalidade e o convencimento intactos. Acreditávamos. Talvez porque após a tormenta da revolução soubéssemos o país bem entregue. E nós, com ele.

História

Há 378 anos voltámos a ser Portugal /premium

João Marques de Almeida
242

A nossa independência nacional é tão antiga, uma das mais antigas na Europa, e muitas vezes os portugueses dão-na como adquirida. É um erro. Nada de importante deve ser tratado como se fosse adquirido

Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)