TGV

Bruxelas aprova TGV até Badajoz

357

Projeto aprovado pela Comissão Europeia visa criar um corredor atlântico, ligando Lisboa, Madrid, Paris e outras linhas internacionais francesas e alemãs.

AFP/Getty Images

A Comissão Europeia aprovou o projeto para o desenvolvimento da linha de alta velocidade que ligará Madrid, Extremadura e a fronteira portuguesa, por um valor a rondar os 310 milhões de euros — o Fundo para o Desenvolvimento Regional Europeu comparticipará com 205 milhões. O anúncio foi publicado esta tarde no site oficial da Comissão Europeia.

“Estou satisfeita por ter aprovado este projeto ferroviário, que dará um contributo significativo para a ligação de alta velocidade entre a Península Ibérica e o resto da Europa”, disse esta quinta-feira Corina Cretu, a comissária para a política regional.

Curioso é o último parágrafo do documento publicado esta quinta-feira, que assume que o projeto melhorará a ligação entre Madrid e Lisboa. Terá o Governo português intenções de dar asas ao projeto ferroviário de alta velocidade? Não. A resposta foi do ministro do Planeamento e das infra-estruturas, Pedro Marques, numa entrevista ao Jornal de Negócios dia 6 de abril. O ministro aponta o foco para a qualificação do “transporte ferroviário de mercadorias” e “dar-lhe competitividade”.

Esta obra aprovada agora por Bruxelas faz parte de um sistema ferroviário de alta velocidade que pretende criar um corredor atlântico, como lhe chama a Comissão Europeia, ligando Lisboa, Madrid, Paris e outras linhas internacionais francesas e alemãs.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
TGV

Uma tragédia a alta velocidade

Luís Ribeiro
387

Para quê ceder às pressões espanholas e entrar num negócio que a priori não é lucrativo e que conduzirá Portugal a maior dependência de uma Espanha centralizadora, como se está a ver no caso catalão?

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)