José Sócrates voltou a comentar o rumo da Operação Marquês para criticar a decisão do DCIAP de prolongar o prazo da investigação até setembro. O ex-primeiro-ministro, que falou aos jornalistas à margem da conferência “Direitos, Liberdades e Garantias”, em Barcelos, usou palavras como “abusos” e “perseguição”.

“Quero recordar que há um ano e meio, quando me detiveram, tinham provas definitivas e contundentes. Sempre neguei isso. Sempre referi que essas acusações eram falsas, injuriosas e absurdas”, começou por dizer Sócrates.

“Um ano e meio depois, nem factos, nem provas, nem acusação. Agora querem mais seis meses. O Ministério Público não tem esse direito. Há prazos para a investigação, esses prazos acabaram em outubro.”

José Sócrates, primeiro-ministro português entre 2005 e 2011, diz que é perseguido e questiona a posição em que o Ministério Público se está a colocar. “Há outros casos em que houve abusos [processos que se arrastaram no tempo]. Porque houve no passado, não justifica que hoje haja abusos”, defende.

Questionado sobre se em causa está o facto de ser José Sócrates o investigado, o ex-primeiro-ministro respondeu afirmativamente.