Justiça

José Sócrates: “MP colocou poderes ao serviço de uma perseguição”

319

Ex-primeiro-ministro censurou a decisão do DCIAP de prolongar o prazo da investigação da Operação Marquês até setembro. "O MP está sob suspeita de não cumprir prazos legais."

PEDRO NUNES/LUSA

Autor
  • Hugo Tavares da Silva

José Sócrates voltou a comentar o rumo da Operação Marquês para criticar a decisão do DCIAP de prolongar o prazo da investigação até setembro. O ex-primeiro-ministro, que falou aos jornalistas à margem da conferência “Direitos, Liberdades e Garantias”, em Barcelos, usou palavras como “abusos” e “perseguição”.

“Quero recordar que há um ano e meio, quando me detiveram, tinham provas definitivas e contundentes. Sempre neguei isso. Sempre referi que essas acusações eram falsas, injuriosas e absurdas”, começou por dizer Sócrates.

Um ano e meio depois, nem factos, nem provas, nem acusação. Agora querem mais seis meses. O Ministério Público não tem esse direito. Há prazos para a investigação, esses prazos acabaram em outubro.”

José Sócrates, primeiro-ministro português entre 2005 e 2011, diz que é perseguido e questiona a posição em que o Ministério Público se está a colocar. “Há outros casos em que houve abusos [processos que se arrastaram no tempo]. Porque houve no passado, não justifica que hoje haja abusos”, defende.

Questionado sobre se em causa está o facto de ser José Sócrates o investigado, o ex-primeiro-ministro respondeu afirmativamente.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Justiça

Acabe-se com os tribunais administrativos, já!

João Luis Mota de Campos
481

Não é tolerável é manter em (des)funcionamento o actual sistema jurisdicional administrativo, que pode causar a alegria teórica de alguns mas é causador de um intenso prejuízo social e viola direitos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)