Lisboa

Agora é definitivo: adeus Casa Alves

378

Em novembro, o responsável por esta mercearia típica dizia: “Eu vou resistir o mais que possa. Doa a quem doer. Vai doer-me a mim, se calhar". O cansaço venceu e a Casa Alves vai mesmo acabar.

D.R.

Autor
  • João Pedro Pincha

A Casa Alves, mercearia típica nas traseiras da Sé, em Lisboa, vai mesmo fechar. A pressão mediática de Catarina Portas e a parceria entre a sua A Vida Portuguesa e a loja que a família Alves ocupa desde 1957 não chegaram para evitar o encerramento do espaço, que fecha definitivamente as portas no fim de julho.

José Luís Alves, que está atrás do balcão há décadas, diz que está cansado. Em novembro de 2015, recebeu uma ordem de despejo que devia ter sido cumprida até maio. O prédio está devoluto do rés-do-chão para cima e vai entrar em obras brevemente. Graças ao envolvimento de várias entidades e da empresária Catarina Portas na situação, a família Alves conseguiu adiar o fim da casa, mas José Luís, com 64 anos, está cansado.

“Preferi jogar pelo seguro”, diz o lojista ao Observador. Em vez de “sair de mãos a abanar”, José Luís Alves sentou-se à mesa com o senhorio para negociar uma indemnização. “Preferi negociar com eles e sair mais ou menos. Nunca se sai como deve ser…”

Em março, quando A Vida Portuguesa colocou alguns produtos à venda na Casa Alves, o objetivo era aumentar a faturação. Isso aconteceu e “até certo ponto ajudou” o negócio, explica José Luís. Mas o futuro era sempre uma incógnita. “Daqui por dois ou três anos, quando as obras terminarem, pediam-me dois ou três mil euros de renda… E como era?” O que a casa faz mensalmente não dá para suportar um valor desse género, garante José Luís. “Já não estou para me meter em aventuras.”

A filha, Carina Alves, que há alguns meses estava em diligências para manter a casa no sítio, lamenta o desfecho, mas garante que esta é a solução mais conveniente. “Se o meu pai tivesse 40 anos, íamos à luta”, mas José Luís afirma que tem vivido num “stress muito grande” nos últimos meses. “Foi uma decisão que nos custou muito, mas era a decisão a tomar”, acrescenta Carina Alves ao Observador.

No Facebook, Carina Alves fez o anúncio do encerramento da loja e deixou um emocionado agradecimento a todas as entidades que se envolveram: União de Associações do Comércio e Serviços, A Vida Portuguesa e o Círculo das Lojas de Caráter e Tradição de Lisboa.

No fim de julho, as portas dos armários de madeira que caracterizam a Casa Alves fecham de vez. O antigo moinho de café vai sair da montra e os cartazes que anunciam géneros “de primeira qualidade” têm como destino certo uma arrecadação. Dizia José Luís em novembro, quando o Observador o conheceu: “Eu vou resistir o mais que possa. Doa a quem doer. Vai doer-me a mim, se calhar…” Esta quarta-feira confirmou-o, mas, entre dois encolheres de ombros, lá deixou uma nota de esperança. “Vou para a reforma e logo se vê”, disse, a rir-se.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)