Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não obstante ter já duplicado a sua força de trabalho desde 2010 – empregando, actualmente, 26.200 pessoas –, a Porsche anunciou que pretende contratar 1400 novos funcionários para trabalharem na região de Estugarda, no desenvolvimento e fabrico do seu primeiro desportivo integralmente eléctrico, o Mission E (vídeos sobre o modelo abaixo), que entrará em produção na fábrica de Zuffenhausen no final desta década. O plano passa por recrutar especialistas nas áreas do digital, da e-mobilidade, da mobilidade inteligente e da conectividade entre veículos.

A marca germânica tenciona, também, recrutar especialistas em produção familiarizados com o conceito Factory 4.0 e com a produção digital, bem como uma centena de especialistas em tecnologias de informação, estando ainda previsto o aumento do número de aprendizes entre 150 e 220 elementos. Ao mesmo tempo, a nova empresa do grupo, a Porsche Digital GmbH, abrirá em breve 50 vagas para criativos, que terão por missão integrar as mais recentes tecnologias em soluções de mobilidade destinadas ao segmento dos automóveis de prestígio.

Proporcionar desafios profissionais, num ambiente de trabalho moderno, é uma das prioridades da Porsche, que pretende atrair os mais talentosos indivíduos nas mais diversas áreas. Para tal, embora a marca já receba anualmente cerca de 140 mil candidaturas, foram criados programas destinados a aumentar o apelo da empresa enquanto entidade empregadora, como é o caso dos que asseguram a compatibilidade entre a actividade profissional e a vida familiar.

Nas palavras do responsável da Porsche com o pelouro dos Recursos Humanos e dos Assuntos Sociais, Andreas Haffner, este processo de recrutamento deu origem a uma verdadeira “guerra de talentos”, uma vez que a marca está em concorrência directa com outros fabricantes, e até com empresas da área das TI, na sua busca global por profissionais talentosos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Porsche afirma ainda que está empenhada em instituir uma cultura empresarial mais focada nos resultados do que na presença física no local de trabalho, e adianta que a fábrica do Mission E vai introduzir novos métodos de produção, em que robots auxiliarão os humanos na execução de tarefas ergonomicamente exigentes. Eis os detalhes acerca deste modelo:

[jwplatform DTsUzUpT]

[jwplatform OXm21q52]