Estudo Científico

Pais só conseguem identificar 47,5% das mentiras dos filhos

Um estudo publicado recentemente no Law and Human Behavior desmente a ideia que a maioria dos pais tem de que consegue perceber sempre que os seus filhos estão a mentir.

Getty Images

Os pais só conseguem identificar 47,5% das mentiras dos filhos. A conclusão é de um estudo publicado recentemente no Law and Human Behavior, que desmente a ideia que a maioria dos pais tem de que consegue detetar sempre que os seus filhos estão a mentir.

“Apesar de estudos demonstrarem que crianças tão novas como com três anos conseguem enganar e esconder a verdade, continuava pouco claro a capacidade dos outros de detetar os esforços das crianças para enganar”, explicam os investigadores. “Ainda assim”, continuam, “os adultos avaliam regularmente se as crianças estão a dizer a verdade numa série de contextos, incluindo na escola, em casa, e em termos legais, especialmente em investigações de maus tratos”.

O estudo agora realizado envolveu 7.893 adultos e 1.858 crianças em 45 experiências concretas, e concluiu que os adultos classificaram como honestas 63,8% das afirmações verdadeiras das crianças. Em relação às mentiras, a taxa é substancialmente menor: apenas 47,5% das afirmações falsas das crianças foram identificadas como mentiras pelos adultos.

A investigação concluiu ainda que a idade das crianças não afeta diretamente a taxa a que os adultos identificam as mentiras.

Os cientistas alertam, contudo, para o facto de se tratar apenas de uma meta-análise, no sentido em que junta conclusões de várias investigações, que foram feitas de forma diferente. No entanto, os investigadores esperam que o seu trabalho motive trabalhos futuros na mesma área.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Bioética

Eutanásia: ouvir os avisos da Holanda

Isabel Galriça Neto
134

Os factos e a realidade da Holanda estão à vista de quem os quiser ver, não podem ser ignorados, e suportam a inconveniência de fazer uma lei que permita a eutanásia na linha das propostas existentes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site