Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nos últimos anos, raros têm sido os fabricantes de desportivos, das mais diversas proveniências, que não tentaram estabelecer, com as suas criações, um tempo recorde no célebre e exigente circuito grande de Nürburgring, o mítico Nordschleife. Há até disputas que se têm tornado igualmente célebres entre modelos específicos, em distintas categorias: pequenos desportivos, desportivos, compactos, superdesportivos e outras.

Menos habitual é o famoso Inferno Verde, com os seus mais de 20 km de extensão, e nada menos do que 73 curvas para todos os gostos (33 para a esquerda e 44 para a direita), servir para estabelecer um recorde em que a velocidade não foi, de todo, levada em linha de conta. Aliás, nem o podia ser, tal o ritmo extremamente lento a que circularam os seus protagonistas.

Mas foi justamente isso o que aconteceu no passado sábado. Um grupo de entusiastas dispôs-se a bater o recorde mundial do maior desfile de pick-ups do planeta, no caso exclusivamente reservado a modelos da RAM, o nome que durante anos identificou as pick-ups da Dodge e que, desde 2010, passou a constituir-se como marca autónoma no seio do Grupo Fiat Chrysler Automobiles. E desafiou os proprietários europeus destas pick-ups a deslocarem-se até ao traçado alemão para o conseguir.

E o facto é que o resultado final superou mesmo as melhores expectativas da organização, que pode acompanhar aqui. Acabaram por ser 1152 as RAM em desfile, batendo por larga margem quer o anterior recorde de um desfile de pick-ups em geral (em que participaram, no México, 638 veículos clássicos), quer o anterior máximo de um desfile reservado apenas a modelos RAM (composto por 451 pick-ups da marca, e levado a cabo em 2015, no Texas). Agora, resta apenas que o Guiness oficialize esta marca, já que a mesma ainda não aparece no seu site oficial, o que se espera que venha a ser rectificado muito em breve.

Veja aqui como decorreu o desfile:

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR