Rádio Observador

Exposições

Um século depois, no Chiado: Amadeo regressa a Lisboa

1.007

Souza-Cardoso fez duas exposições polémicas em 1916, no Porto e em Lisboa. Depois do Soares dos Reis, é o Museu do Chiado que recria o momento. A curadora Marta Soares detalha seis das 81 obras.

Autor
  • Bruno Horta

Aconteceu há 100 anos. Amadeo de Souza-Cardoso era já um pintor reconhecido nos meios de vanguarda artística e tinha participado em exposições coletivas em Paris, Berlim ou Nova Iorque. Regressara a Portugal no início da I Guerra Mundial. E em 1916 expôs em nome próprio: primeiro no Porto, no Jardim Passos Manuel; depois em Lisboa, na Liga Naval Portuguesa.

Foram dois momentos históricos, marcados por críticas e polémicas em torno da ousadia estética de Amadeo – um artista plástico difícil de definir, que navegou pelo cubismo, impressionismo, futurismo e abstracionismo. Rezam as crónicas que houve no Porto quem cuspisse os quadros, tal a incompreensão perante as obras.

amadeo_de_souza_cardoso_with_tie_and_looking_right_770x433_acf_cropped

Amadeo de Souza-Cardoso

Um século depois, essas mesmas exposições estão a ser reabilitadas. Em novembro e dezembro, o Museu Nacional Soares dos Reis evocou a exposição nortenha de 1916 – com 90 obras, das 114 originais. Esta semana, o Museu do Chiado inaugura a recriação da mostra lisboeta centenária – com 81 quadros (52 de instituições pública, 29 de coleções privadas).

Intitulada “Amadeo de Souza-Cardoso/Porto Lisboa/2016-1916“, a exposição inaugura esta quarta-feira e abre ao público na quinta, 12, mantendo-se até 26 de fevereiro. A curadoria pertence às historiadoras Raquel Henriques da Silva e Marta Soares.

“Para esta exposição tivemos de estudar muito o contexto dos dois locais em que Amadeo expôs para percebermos de que modo esses espaços foram fundamentais para a receção das exposições”, explica Marta Soares.

No Porto, Amadeo teve uma enorme visibilidade, houve multidões a acorrer ao Jardim Passos Manuel. Em Lisboa, a polémica foi menor. Ele não foi agredido, ninguém cuspiu os quadros. Isso demonstra a diferença de públicos, mas também o facto de a Liga Naval, em Lisboa, ser um espaço mais resguardado”, acrescenta a curadora.

Além da exposição propriamente dita, o Museu do Chiado organiza um conjunto de seis conferências em torno de Amadeo. A primeira realiza-se no sábado, 14, às 16h00: “O Porto em 1916, o Jardim Passos Manuel e a exposição de Amadeo”, com moderação da museóloga Aida Rechena, diretora do museu, e a participação de Ana Paula Machado, Elisa Soares, Sónia Moura e Marta Soares.

Em jeito de antecipação, o Observador falou com a curadora Marta Soares e pediu-lhe que escolhesse e explicasse brevemente seis das obras que vão ser exibidas a partir desta semana.

“Tristezas cabeça”

cerca 1914-1915; óleo sobre cartão; 37 x 38,5 cm

“Vemos um rosto sombrio, um pouco expressionista, que parece encaixar na paleta muito colorida pela qual Amadeo se tornou conhecido. Estas cabeças que o pintor mostrava em vários quadros, mais ou menos no início da exposição de 1916, eram tão grotescas e sombrias que podem ter contribuído para a incompreensão dos visitantes há 100 anos.”

IMG_01

“Par Impar 1 2 1”

cerca 1915-1916; óleo sobre tela; 100 x 70 cm

“É um belo quadro, especialmente importante pela relação que parece estabelecer entre Amadeo e Almada Negreiros. A expressão do título surge num postal que o Amadeo envia a Almada, ainda antes de o conhecer pessoalmente, apoiando o Manifesto Anti-Dantas. Neste quadro, a figura humana surge automatizada, parece quase uma marioneta intersetada por varas. É uma via que Amadeo vai explorar em 1916, 1917: as varas que intersetam objetos.”

IMG_02

“Vida dos Instrumentos”

cerca 1916; óleo sobre tela; 70 x 50 cm

“Outro traço fundamental da exposição é a atribuição de vida aos objetos: nas naturezas mortas e sobretudo nos instrumentos musicais. Por volta de 1916, Amadeo está a trabalhar em torno desse animismo, da transferência de vida para os instrumentos musicais, enquanto os músicos surgem desumanizados, muito sombrios em algumas composições. É o período da I Guerra, como se os humanos estivessem esvaziados de alma e a vida tivesse sido transferida para os objetos.”

IMG_03

“Mucha”

cerca de 1915 – 1916, óleo sobre tela, 27,3 x 21,4 cm

“Talvez a palavra ‘Mucha’ [lê-se “muchá”] seja uma ironia com a expressão ‘na mouche’. De resto, há em muitos títulos desta exposição um jogo fino entre o francês e o português. A partir de 1916, Amadeo pega nas experiências cromáticas do pintor Robert Delaunay, que se encontrava em Portugal, e transforma-as. Em vez de desenvolver os discos órficos de Delaunay [uma superação do cubismo através da cor e da luz em múltiplas facetas e de forma circular], Amadeo como que os parodia, tornando os discos em alvos concretos, alvos de tiro. Ele está a descer à terra, transforma uma teoria em objetos.”

IMG_04

“A máscara de olho verde cabeça”

cerca de 1915-1916, óleo sobre tela, 55 x 39,5 cm

“Um pormenor desta pintura está a ser utilizado no cartaz da exposição do Museu do Chiado. É belíssimo. Em contraste com as cabeças sombrias que Amadeo criou para o início da exposição, este quadro é muito garrido. É uma antítese. Faz parte da série de cabeças, mas tem outras influências. Fala-se da máscara africana, mas também podemos pensar nas máscaras dos caretos de Podence, de Trás-os-Montes. A paleta é muito parecida, assim como o nariz. Há a possibilidade de Amadeo ter encontrado nesse costume tradicional português um estímulo para a sua pintura.”

IMG_07

“Arabesco dynamico = REAL…”

cerca de 1915-1916, óleo sobre tela, 100 x 60 cm

“O título é bastante longo e inclui intervenções gráficas, o que despertou curiosidade e polémica em 1916. Muitas críticas negativas então publicadas citavam este título como exemplo da excentricidade de Amadeo. Claramente, estava em diálogo com Santa-Rita Pintor, que também utilizava parêntesis nos títulos. Vemos neste quadro um ambiente mecanizado, com o pintor a explorar as relações com futurismo. Note-se a vaga sugestão de uma mão a segurar um instrumento musical. É um elemento muito camuflado e subtil.”

IMG_08

O Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado está aberto de terça a domingo, das 10h às 18h. Entrada: 4,5 euros. Gratuito no 1.º domingo de cada mês.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)