Ponta Delgada

Obras no porto de Ponta Delgada começam este mês sem afetar “normal operação”

A empresa pública Portos dos Açores garantiu que a primeira fase das obras no porto de Ponta Delgada começa este mês, sem afetar "a normal operação".

Manuel Moura/LUSA

A empresa pública Portos dos Açores garantiu esta sexta-feira que a primeira fase das obras no porto de Ponta Delgada começa este mês, sem afetar “a normal operação”, pois a intervenção vai concentrar-se no molhe de proteção da infraestrutura. Numa resposta por escrito enviada à agência Lusa, a administração portuária adiantou que a primeira fase das obras, orçadas em nove milhões de euros, terá um prazo de execução de 12 meses e visa reforçar o manto de proteção do molhe principal do porto de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

Na sequência de temporais que assolaram os Açores, particularmente as ilhas de São Miguel e Santa Maria, em dezembro de 2015 e janeiro de 2016, a cabeça do molhe do porto de Ponta Delgada ficou danificada, embora a infraestrutura tenha continuado sempre operacional. Em fevereiro, o então secretário regional do Turismo e Transportes dos Açores, Vítor Fraga, anunciou um investimento total de 41 milhões de euros para requalificar e modernizar o porto de Ponta Delgada, recorrendo a financiamento comunitárioA Portos dos Açores explicou que a primeira fase da obra “irá substituir e reforçar cerca de 100 a 120 metros, em duas zonas distintas, da camada resistente do manto de proteção do molho existente, cuja extensão total é cerca de 1.500 metros”.

A mesma entidade ressalvou que os últimos 200 metros do cais do porto de Ponta Delgada são uma área sob jurisdição do Ministério da Defesa Nacional e como tal “a Portos dos Açores não tem prevista qualquer intervenção naquela zona”. No entanto, para salvaguardar uma requalificação total do porto a empresa pública e o Ministério da Defesa Nacional têm mantido reuniões “para encontrar a melhor opção técnica”, devendo o ministério “lançar nos próximos meses o concurso público para a empreitada de reparação do muro cortina e molhes do intradorso e extradorso, cujas obras se estima se iniciem em 2017”.

Relativamente à segunda fase, orçada em 32 ME e com um prazo de execução de 36 meses, a Portos dos Açores adiantou que “está prevista iniciar-se este ano”. Com o objetivo de promover a operacionalidade do porto, a segunda fase da obra comporta o reperfilamento do cais, repavimentação do terrapleno portuário, beneficiação das redes técnicas e drenagem da bacia portuária.

Segundo disse a administração portuária, está previsto aumentar o terrapleno portuário em mais 25 metros, criando uma nova frente cais, aumentando a área de parque de contentores em aproximadamente 9.500 metros quadrados.

Um julho do ano passado, uma nota do gabinete de imprensa do Governo dos Açores referia que a última grande intervenção no manto do molhe de proteção do Porto de Ponta Delgada foi efetuada entre os anos de 1997 e 1999, na sequência dos estragos provocados por uma tempestade a 25 de dezembro de 1996. O porto de Ponta Delgada, gerido tal como as restantes infraestruturas portuárias pela empresa pública Porto dos Açores, é o principal porto de entrada e saída de mercadorias do arquipélago.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
1.552

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)