Rádio Observador

Ponta Delgada

Obras no porto de Ponta Delgada começam este mês sem afetar “normal operação”

A empresa pública Portos dos Açores garantiu que a primeira fase das obras no porto de Ponta Delgada começa este mês, sem afetar "a normal operação".

Manuel Moura/LUSA

A empresa pública Portos dos Açores garantiu esta sexta-feira que a primeira fase das obras no porto de Ponta Delgada começa este mês, sem afetar “a normal operação”, pois a intervenção vai concentrar-se no molhe de proteção da infraestrutura. Numa resposta por escrito enviada à agência Lusa, a administração portuária adiantou que a primeira fase das obras, orçadas em nove milhões de euros, terá um prazo de execução de 12 meses e visa reforçar o manto de proteção do molhe principal do porto de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

Na sequência de temporais que assolaram os Açores, particularmente as ilhas de São Miguel e Santa Maria, em dezembro de 2015 e janeiro de 2016, a cabeça do molhe do porto de Ponta Delgada ficou danificada, embora a infraestrutura tenha continuado sempre operacional. Em fevereiro, o então secretário regional do Turismo e Transportes dos Açores, Vítor Fraga, anunciou um investimento total de 41 milhões de euros para requalificar e modernizar o porto de Ponta Delgada, recorrendo a financiamento comunitárioA Portos dos Açores explicou que a primeira fase da obra “irá substituir e reforçar cerca de 100 a 120 metros, em duas zonas distintas, da camada resistente do manto de proteção do molho existente, cuja extensão total é cerca de 1.500 metros”.

A mesma entidade ressalvou que os últimos 200 metros do cais do porto de Ponta Delgada são uma área sob jurisdição do Ministério da Defesa Nacional e como tal “a Portos dos Açores não tem prevista qualquer intervenção naquela zona”. No entanto, para salvaguardar uma requalificação total do porto a empresa pública e o Ministério da Defesa Nacional têm mantido reuniões “para encontrar a melhor opção técnica”, devendo o ministério “lançar nos próximos meses o concurso público para a empreitada de reparação do muro cortina e molhes do intradorso e extradorso, cujas obras se estima se iniciem em 2017”.

Relativamente à segunda fase, orçada em 32 ME e com um prazo de execução de 36 meses, a Portos dos Açores adiantou que “está prevista iniciar-se este ano”. Com o objetivo de promover a operacionalidade do porto, a segunda fase da obra comporta o reperfilamento do cais, repavimentação do terrapleno portuário, beneficiação das redes técnicas e drenagem da bacia portuária.

Segundo disse a administração portuária, está previsto aumentar o terrapleno portuário em mais 25 metros, criando uma nova frente cais, aumentando a área de parque de contentores em aproximadamente 9.500 metros quadrados.

Um julho do ano passado, uma nota do gabinete de imprensa do Governo dos Açores referia que a última grande intervenção no manto do molhe de proteção do Porto de Ponta Delgada foi efetuada entre os anos de 1997 e 1999, na sequência dos estragos provocados por uma tempestade a 25 de dezembro de 1996. O porto de Ponta Delgada, gerido tal como as restantes infraestruturas portuárias pela empresa pública Porto dos Açores, é o principal porto de entrada e saída de mercadorias do arquipélago.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)