Elétricos

A portuguesa Efacec instala carregadores de 350 kW, os mais potentes do mundo

1.335

Já estão instalados os primeiros carregadores da Efacec para veículos eléctricos com 350 kW, os mais potentes do mundo. Destinam-se a carros, camiões e pick-ups, mas não os Tesla. Saiba porquê.

Autor
  • António Sousa Pereira

A nova gama de carregadores de alta tensão da Efacec, denominada HV (de High Voltage), começou já a ser instalada no terreno, compreendendo potências de 50, 160, 175 e 350 kW, de forma a cobrir as futuras necessidades do mercado.

A diferença face aos carregadores de carga rápida já conhecidos (como os recentemente fornecidos às áreas de serviço das auto-estradas nacionais), conhecidos como QC (de Quick Charging), capazes de fornecer uma tensão entre 400 e 500 volts, reside na maior tensão que os novos HV podem atingir (um máximo de 1.000 volts), o que lhes garante uma potência superior.

A gama actual de carregadores da Efacec, conhecida como Quick Charging, opera com tensões de 400 a 500 V, enquanto os novos HV podem atingir 1000 V

Entre os novos sistema de carga, destaque para o carregador HV175, capaz de fornecer uma tensão nominal acima de 920 volts, e uma corrente máxima de 350 amperes, quando combinando duas unidades, que acabam por formar o HV350. Este supercarregador está especialmente dedicado a veículos com baterias de grande capacidade, e é o primeiro do mundo no seu género a chegar ao mercado. Há muitos fornecedores deste tipo de equipamentos que estão a desenvolver soluções igualmente potentes, mas a empresa portuguesa foi a primeira a conseguir construí-los em série e a fornecê-los ao mercado.

O mais potente dos supercarregadores produzidos em Portugal, o HV350, está dimensionado para baterias com capacidade acima de 130 kWh, superior mesmo ao maior dos acumuladores ao serviço do Model S da Tesla, que é o mais generoso do mercado, mas com apenas 100 kWh. Contudo, a Efacec nunca poderá produzir os supercarregadores para o construtor americano, pois “a Testa utiliza um sistema diferente e não normalizado” (para se defender de qualquer tipo de concorrência, n.d.r.), o que “torna pouco rentável” para a empresa portuguesa produzir sistemas de carga com as suas especificações, conforme explicou ao Observador um dos responsáveis por esta área de negócios da Efacec, Pedro Silva.

O engenheiro acrescenta ainda que “os novos supercarregadores de alta voltagem destinam-se não aos veículos que já existem, mas aos que vêm aí, com maior capacidade de baterias e necessidade de tempos de carga mais curtos”. Ou seja, apontam a “automóveis que aceitem cargas a 800 volts (em vez dos actuais 400 v utilizados pelos sistemas de carga rápida), para além de autocarros, entre outros veículos”.

De realçar que a Efacec tem, entre a sua lista de clientes, a maior parte dos fabricantes de automóveis europeus, e possui igualmente contratos de fornecimento para os EUA, onde a Ford e a General Motors (para além da Nissan e BMW, que ali também produzem os seus veículos) figuram entre os utilizadores dos seus sistema de carga. Mas os grandes clientes da Efacec são as empresas fornecedoras de energia, que exploram as redes de carga rápida, sendo especialmente para os 40 operadores com que a empresa nacional já trabalha que foi criada a nova série HV.

Os transportes urbanos de mercadorias são um dos potenciais clientes para sistemas de carga rápida de alta voltagem

As baterias de maior capacidade vão ser uma realidade a muito curto prazo, pois para além dos camiões eléctricos – em que trabalha a Mercedes, a Scania, a Volvo e a Nikola e que se encontram em fase de desenvolvimento algo embrionária –, os maiores clientes para este tipo de superbaterias serão os autocarros urbanos e os veículos comerciais ligeiros, tipo furgão, que já circulam ao serviço de empresas como a Fedex (na Califórnia) e que prometem ser cada vez mais utilizados. A estes urge aliar os superdesportivos eléctricos em preparação, já que os seus proprietários podem suportar os custos adicionais de baterias mais eficientes, que trabalhem a 800 volts.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)