Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não gosto de “junkies”. Não gosto de ambientes “trashy”. Não gosto de filmes onde morrem bebés, mesmo que seja para mostrar os horrores que podem acontecer a quem é “junkie” e vive num ambiente “trashy”. Por isso, nunca simpatizei com “Trainspotting”, de Danny Boyle, baseado no livro de Irvine Welsh, mesmo que o filme tenha sido, à época (1996), como um choque eléctrico aplicado num cinema britânico muito acomodado, e a expressão cinematográfica chapada do espírito “Cool Britannia” à beira da chegada ao poder do New Labour de Tony Blair. Mesmo que não houvesse nada de “cool” no punhado de “junkies”, desempregados, delinquentes e vampiros da Segurança Social que se precipitavam pelas ruas de Edimburgo, e se injectavam nos seus pardieiros, dizendo mais sobre esses tempos e o espírito que os dominava do que o “marketing” optimista e fixe estatal.

[Veja o “trailer” de “T2 Trainspotting]

Renton (Ewan McGregor), Sick Boy (Jonny Lee Miller), Spud (Ewen Bremner) e Begbie (Robert Carlyle) eram o acelerado e mocado quarteto de auto-excluídos do sistema, os anti-“Choose Life”, assumindo com raiva e orgulho as consequências dessa vida alternativa à “normal”. Vinte anos mais tarde, em “T2 Trainspotting”, inspirado em Porno, a continuação do livro original, Sick Boy, Spud e Begbie continuam a arcar com essas consequências. O primeiro anda com uma prostituta búlgara (Anjela Nedyalkova), filma-a com os clientes para depois os chantagear e quer abrir um bordel; o segundo continua a não fazer nada e a drogar-se; e o terceiro está na cadeia. Só Renton, que traiu os amigos no fim do primeiro filme e fugiu rico para a Holanda, parece ter “escolhido a vida”. E está de regresso a Edimburgo, dir-se-ia que roído pela consciência.

[Veja as entrevistas com Danny Boyle e os quatro actores]

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Há um novo monólogo como o do “Choose Life” do primeiro filme em “T2 Trainspotting”, agora adaptado aos tempos da sociedade em rede, da globalização e dos escândalos financeiros, só que dominado por uma sensação de desilusão e de derrota, que contrasta com o cinismo gutural e desafiador daquele. Esta continuação, escrita por John Hodge, e com fotografia de Anthony Dod Mantle, é parte mais do mesmo (deriva individual e social, droga, crime, humor negro e brutinho, fotografia cubista e de cores saturadas, montagem “pop”, calão escocês indecifrável), parte recolha do que as personagens semearam no primeiro filme, e do que um mundo que muda cada vez mais depressa lhes fez. Há nostalgia, azedume, ajustes de contas, desejos de redenção, “flashbacks” melancólicos e perplexidades, desembocando num filme-perseguição convencional. Continua a haver cocaína, mas também Viagra, E há mais uma traição, esta de fora do baralho.

[Veja uma sequência do filme]

https://youtu.be/SUCGDChBM_Q

“T2 Trainspotting” tem os seus momentos inspirados: a sequência no “pub” onde Renton e Sick Boy vão roubar carteiras e acabam a levar o estabelecimento inteiro ao rubro de sectarismo político-religioso, ou a apresentação pública que o duo faz para conseguir fundos da União Europeia para renovar o “pub” da família de Sick Boy e transformá-lo numa sauna-prostíbulo, simulando ser um projecto de “renovação urbana com valor comunitário”; e o psicopata Begbie de Robert Carlyle, cujo filho prefere seguir Gestão Hoteleira em vez de ir assaltar casas como o pai, mete a fita no bolso sempre que aparece. Só que a sensação que o filme nos deixa, ao contrário do primeiro, que tinha as raízes mergulhadas naquela cidade e era a voz daquelas pessoas pertencentes àquela geração, é que podia agora passar-se em qualquer grande cidade, com outras personagens. Se convém não voltarmos ao lugar onde fomos felizes, é também aconselhável não regressar onde fomos infelizes.