Segurança Informática

Dia mundial das passwords: 10 regras para criar uma palavra-passe segura

Esta sexta-feira é o Dia Mundial das Passwords e, sendo este um tópico importante, anote algumas sugestões para melhorar a sua segurança e criar uma palavra-passe à prova de ataques.

JULIAN STRATENSCHULTE/EPA

Autor
  • Miguel Videira Rodrigues

Gerir as palavras-passe é uma medida de segurança importante, mas pode também ser uma das mais aborrecidas de fazer. Passwords curtas são fáceis de decorar, mas não são seguras, enquanto que as maiores são mais seguras mas difíceis de decorar, em especial se tiver uma diferente para cada conta.

Mas então como é que se pode conseguir um meio termo? A Kaspersky Lab sugere 10 conselhos para ajudar a gerir e criar passwords fáceis de decorar e seguras. Provavelmente já conhece e segue alguns deles, mas nunca é demais lembrar.

Pelo menos oito variantes

O importante numa palavra-passe não é, de todo, o quão aleatória ela pode ser, mas sim como pode ser difícil de ser hackeada. Ou seja, se tiver pelo menos oito símbolos (minúsculas, maiúsculas, números e sinais de pontuação) torna-se mais complexo para um hacker decifrar a sua password.

Datas e nomes? Nunca

Qualquer tipo de palavra normal, um nome próprio, uma data de nascimento ou uma variante de combinações simples devem ser evitadas. Isto exclui o típico “123456” e “qwerty”.

Uma frase, muitas passwords

A fim de criar uma palavra-passe minimamente aleatória mas fácil de memorizar é utilizando uma frase. Por exemplo, pense na frase “A minha password não presta”.

Pegando nesta frase, retiramos a primeira letra de cada palavra: “AMPNP”. Agora introduzimos um símbolo diferente entre cada letra que, não sendo na mesma o mais indicado, pode ser uma data especifica (5/5/2017): “A5M5P2N0P17”.

Assim a password criada fica um pouco aleatória e fácil de decorar. Além disso, pode criar variantes com base na mesma frase, bastando juntar, por exemplo, as últimas letras de cada palavra para criar outra combinação.

Crie mnemónicas

Uma mnemónica é um auxiliar de memória, uma frase que nos lembra uma sequência ou, um dos mais comuns, utilizar os dedos para saber quantos dias tem cada mês.

Neste sentido, pode criar uma mnemónica que o ajude a memorizar cada uma das passwords que criar, de preferência que seja uma história associada a uma imagem ou fotografia.

Não recorra a palavras de outras línguas

Muitos utilizadores pensam que, ao recorrer a outras línguas, com letras que, neste caso, não fazem parte do alfabeto português, estão a aumentar o nível de segurança. Errado. Por norma, os hackers têm dicionários especiais que contêm este tipo de combinações, fazendo com que este método não tenha qualquer nível extra de segurança.

Não partilhe a password

Tanto a palavra-passe como o método utilizado para a criar são duas informações que devem ser guardadas apenas para o utilizador. Por exemplo, no caso de utilizar as suas músicas favoritas para criar senhas de segurança, ao descobrir tal informação, um hacker fica com o trabalho muito mais facilitado uma vez que, sabendo os seus gostos musicais, fica com um universo de hipóteses muito mais reduzido.

Partilhe o computador mas não a conta

É um cenário bastante comum entre familiares é existir mais que uma pessoa a utilizar um só computador. Esta situação já de si aumenta o risco de expor o computador, mas partilhar a mesma conta (e consequentemente a mesma password) não é, de todo, um processo recomendado. O ideal é cada um ter a sua conta e a sua password.

Um serviço, uma senha

É mais fácil criar apenas uma ou duas senhas e utilizar as mesmas em todos os serviços. O problema é que, ao descobrirem como entrar num serviço descobrem como o fazer em todos os outros. O ideal é ter uma única senha para um serviço, tendo mais importância aplicar esta regra nas contas que envolvem dinheiro e informação pessoal.

Escrever várias vezes

Uma forma fácil de decorar um senha nova e menos intuitiva que “123456” é escrever várias vezes seguidas a password no teclado. Esta é uma técnica simples e que recorre à facilidade que o cérebro tem de recordar movimentos que sejam repetidos diversas vezes, criando uma espécie de hábito.

Evite guardar a senha

Claro que nem sempre conseguimos memorizar determinada senha, mas deve evitar a todo o custo escrever a password num papel, guardá-la na drive ou noutro serviço ou dispositivo. Não devem existir registos físicos ou digitais de nenhuma senha que utilize. Uma solução que o pode ajudar a nunca perder as passwords é utilizar um programa de confiança e seguro. Muitos anti vírus disponibilizam um e existem até aplicações que fazem o trabalho bem feito. Claro que será sempre melhor se as conseguir manter apenas na cabeça.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Teletrabalho é modernidade laboral

Fabiano Zavanella

Defendemos que a tecnologia, aliada ao teletrabalho, é uma contribuição enorme para o problema da mobilidade urbana, principalmente nos grandes centros, e uma das soluções para minorar o desemprego.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)