Brasil

Apple condenada por publicidade enganosa. iPhone de 16GB só tem 13GB utilizáveis

559

Há uma diferença média de 3GB entre a memória que a marca oferece e a que se pode realmente utilizar. A Apple tem agora 30 dias para substituir os anúncios "enganosos" no Brasil.

A condenação vem na sequência da acusação de publicidade enganosa, movida pela Proteste do Brasil, em 2015

SAM YEH/AFP/Getty Images

A Apple foi condenada pelo juiz Felipe Poyares Miranda, do Tribunal de Justiça de São Paulo, a retirar, dentro de 30 dias, qualquer “publicidade enganosa” acerca da capacidade de memória do iPad Air, iPad Mini, iPhone 5S e iPhone 6. A informação é noticiada pelos meios de comunicação brasileiros.

Em causa está o facto da empresa não distinguir, na publicidade, a memória bruta de memória utilizável. Isto faz com que exista uma diferença média de 3GB entre a capacidade de armazenamento que é garantida nas publicidades e aquela que o consumidor pode realmente utilizar, devido ao espaço destinado ao sistema operativo (iOS). Por exemplo, um produto com 16GB de memória só tem na verdade 13GB disponíveis, já que três deles são utilizados pelo iOS. O mesmo acontece com os produtos publicitados com espaço de memória superior.

A condenação vem na sequência da acusação de publicidade enganosa, movida pela Proteste, associação de defesa do consumidor do Brasil, em outubro de 2015.

A informação não corresponde com a realidade e precisa de ser corrigida. Não podemos aceitar isso”, disse a advogada que representa a Proteste, Sonia Amaro.

A advogada defendeu que a marca precisa de mudar a sua “postura”, alertando para o facto do consumidor ter de “ser tratado com respeito”. Por sua vez, a Apple recusou haver qualquer “dano para o consumidor”, defendendo que quem compra os seus produtos, não o faz “só para armazenar dados”. A Proteste fazia ainda um pedido de indemnização por danos materiais aos consumidores mas que foi recusado pelo juiz.

Parte da memória é utilizada para funções operacionais e parte para armazenamento. De antemão não é possível dizer quanto da memória de um aparelho será utilizada para o sistema operativo”, defendeu a Apple.

Face a esta impossibilidade, a marca realçou que “fornece gratuitamente aos seus consumidores espaço de memória” através do iCloud. O espaço oferecido (5GB) é “superior à memória que falta” e não consta nas publicidades da marca. A empresa deixou ainda um reparo: “Todas as empresas que comercializam este tipo de produtos utilizam o mesmo tipo de informação” — ou seja, a memória total do dispositivo e não a utilizável.

Caso a Apple não queira recorrer da decisão do juiz e se recuse a retirar as publicidades dentro do prazo estabelecido, terá pagar uma multa diária de 100 mil reais (cerca de 26,6 mil euros) até ao máximo de 60 dias.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Nicolás Maduro

A Venezuela a ferro e fogo /premium

Diana Soller

Maduro tentará impor a sua vontade, agora que se sente verdadeiramente ameaçado. A oposição sentirá que não tem nada a perder. O que pode, efetivamente, degenerar numa guerra civil.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)