Música

Cantora Fábia Rebordão apresenta álbum “Eu” no Centro Cultural de Belém

A cantora Fábia Rebordão atua na sexta-feira no pequeno auditório do Centro Cultura de Belém, em Lisboa. Entre os inéditos, Jorge Fernando é o autor mais cantado, assinando a letra de três temas.

Participam também outros autores como Tozé Brito, com "Canção do amor para sempre" ou Pedro Silva Martins, que assina "Suspiro"

José Ribeiro/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A cantora Fábia Rebordão atua na sexta-feira no pequeno auditório do Centro Cultura de Belém, em Lisboa, no âmbito do ciclo “Há Fado no Cais”, numa parceria desta fundação com o Museu do Fado.

No palco belenense, Fábia Rebordão vai apresentar o seu mais recente álbum, “Eu”, que, em declarações à agência Lusa, afirmou ser o seu bilhete de identidade, resultando das suas influências musicais e de uma “redescoberta” de si própria.

“O álbum chama-se ‘Eu’ e é o meu bilhete de identidade, porque, durante este tempo que estive sem gravar — que não foi muito -, mudei, tudo em mim mudou”, disse Fábia Rebordão, que resolveu emagrecer e sofreu “algumas mudanças a nível vocal”.

“A minha voz ficou diferente”, disse a cantora, acrescentando: “Eu encontrei o meu novo ‘Eu’ na forma de cantar, de compor, de escrever, de ouvir e de interpretar”.

A minha autoestima subiu e mudei a minha forma de cantar, mas eu gosto mais da minha voz assim. Tornei-me uma pessoa muito melhor e mais sensível musicalmente, e o disco salienta essa nova Fábia e uma nova musicalidade”, sentenciou.

O CD, editado em outubro do ano passado, “é o resultado das minhas influências musicais, tudo que ouvi desde sempre, desde muito nova, como cresci na forma de compor e de escrever, e os amigos que fui fazendo”, disse a intérprete à Lusa. “Este disco é o meu novo ‘Eu'”, sublinhou.

“Eu” é o segundo álbum da fadista, que, em 2012, recebeu o Prémio Amália Revelação, e é constituído por 13 faixas, 12 delas inéditas, e uma recriação do repertório de Fernando Maurício (1933-2003), “Pergunta a Quem Quiseres”, de Mário Rainho, na melodia tradicional do Fado Laranjeira, de Alfredo Marceneiro.

“Este tema está dentro do alinhamento do CD e, porque tive o privilégio, aos 15 anos, de trabalhar com o Fernando Maurício, o ‘rei do fado’, o que foi uma aprendizagem muito importante, que me influenciou absolutamente, não queria deixar passar esta homenagem ao Fernando [Maurício]”, afirmou.

Entre os inéditos, Jorge Fernando é o autor mais cantado, assinando a música e letra de três temas, nomeadamente o da abertura do CD, “Falem agora”, e ainda o poema “Qualquer dia”, musicado por Rui Veloso, e dois poemas musicados pela própria Fábia Rebordão, “Insistência” e “Não sei dizer”. Fábia Rebordão assina letra e música de “Duração” e “Retorno”.

Participam também outros autores como Tozé Brito, com “Canção do amor para sempre”, Pedro Silva Martins, que assina “Suspiro”, Dino d’Santiago, “Génese da libertação”, e ainda Rui Rocha e Miguel Rebelo, autores de “Alice”, um tema que conta com a participação especial de Custódio Castelo, na guitarra portuguesa.

Fábia Rebordão realçou que, não querendo fazer “o mesmo que Mariza e Ana Moura fazem, brilhantemente”, buscou a sua própria identidade musical, e acha que conseguiu. “De uma forma minha, consegui uma coisa diferente do que se tem feito”, disse, acrescentando que “é muito difícil, hoje em dia, criar uma identidade musical diferente”.

No palco de Belém, Fábia Rebordão é acompanhada pelos músicos Bruno Chaveiro, na guitarra portuguesa, João Domingos, na viola, José Ganchinho, na viola baixo, e Ivo Martins, na percussão.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)