Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Eles estão por todo o lado mas raramente passam despercebidos. Seja pela cor, pelo look de quem os calça, seja pela aura de liberdade e carisma que emprestam a quaisquer pés. Como um verdadeiro ícone que são, transportam qualquer coisa de religioso, que só os verdadeiros crentes podem testemunhar.

2017 marca o momento em que as lendárias sapatilhas All Star entram no segundo século de vida. Nasceram no ano da Primeira Guerra Mundial e da Revolução Bolchevique, no ano em que Francis Picabia inicia o Dadaísmo e que Marcel Duchamp muda a história da arte com o seu “Fontain” mais conhecido como ‘urinol’, no ano em que nascem Ella Fitzgerald e John Lee Hoocker. Nestes tempos de transformação estavam destinados a ser mais que uma mercadoria produzida pela Converse Rubber Shoe Company, especializada em fazer galochas e outro calçado de borracha, no Massachusets, EUA. Estavam destinados a ser um objeto artístico, um dos triunfos do design do século XX.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.