Educação

Portugal é o país da OCDE onde mais alunos abandonam a escola sem concluir o secundário

137

Mais de um terço dos alunos que chega ao secundário acaba por desistir dos estudos ao fim de cinco anos sem obter o diploma do ensino obrigatório, segundo a OCDE. Ensino vocacional tem trazido frutos.

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Marlene Carriço
Mais sobre

Mais de um terço dos alunos portugueses (35%) que iniciam o ensino secundário não conseguem finalizá-lo em cinco anos (os três padronizados, mais dois a contar com chumbos) e acabam mesmo por abandonar a escola sem obter o diploma do ensino obrigatório. Portugal é, neste ponto, o país da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) que pior pontua, de acordo com o Education at a Glance 2017, divulgado esta terça-feira.

“Dos países da OCDE, Portugal é o que tem a maior percentagem de estudantes que abandonam o sistema educativo sem concluírem o 12.º ano em cinco anos: 35%, que compara com uma média de 21%” nos restantes países da OCDE para os quais há dados, lê-se no relatório. Os restantes 61% conseguem obter o diploma nos cinco anos (o que compara com a média da OCDE de 75%) e 4% ainda estão a estudar ao fim desse período.

Apertando mais a malha, e levando em consideração apenas os três anos em que é suposto completar o ensino secundário, aí só metade consegue fazê-lo, em comparação com os 68% registados na média dos restantes países da OCDE. Daí que a conclusão do ensino obrigatório continue a apresentar-se como um “desafio significativo” e não apenas para Portugal.

Os especialistas da OCDE dão ainda destaque ao papel do ensino profissional e vocacional em Portugal. Em 2015, 45% dos alunos do ensino secundário frequentavam esta via de ensino e o efeito tem sido positivo, quer como forma de promover a conclusão do ensino secundário quer como promotor de uma relação mais direta ao mercado de trabalho.

“Ao contrário de muitos países com dados disponíveis, o ensino profissional em Portugal é mais bem-sucedido que o ensino científico-humanístico no que toca a manter os alunos no ensino secundário até à sua conclusão. Enquanto que apenas 59% dos alunos no ensino científico-humanístico concluem o ensino secundário em cinco anos, no ensino profissional a taxa é de 64%”, refere o relatório.

A boa notícia, sublinha a OCDE, é que “se os atuais padrões se mantiverem, quase 90% da população mais jovem em Portugal deverá concluir o ensino secundário ao longo da vida”, lê-se no documento.

Olhando ainda para os níveis de habilitações dos portugueses, de frisar que 30% de população adulta ainda tem apenas o ensino primário e, apesar das melhorias que se tem vindo a registar, só 35% dos adultos entre os 25 e os 34 anos têm uma licenciatura, um acréscimo de 16 pontos percentuais face a 2005. A média da OCDE fixa-se nos 43%.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Mais vale acabar

João Pires da Cruz
1.463

Damos atenção aos direitos de todos menos aos daqueles que são mais preciosos, os nossos filhos. Gastamos dinheiro em tudo, menos no que é impossível substituir, o tempo das nossas crianças aprenderem

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)