O documentário “Aires Mateus: Matéria em Avesso”, do realizador Henrique Pina, estreia-se esta quarta-feira, às 19:30, em Lisboa, marcando a abertura de candidaturas à 6.ª edição do Festival Internacional de Cinema Arquiteturas, em junho. O filme, dedicado à obra do atelier Aires Mateus, partiu de um trabalho de investigação dos arquitetos Maria João Soares, Susana Tavares dos Santos e João Miguel Couto Duarte, e será exibido no Cinema São Jorge, depois de ter tido estreia mundial no Architecture and Design Film Festival, em Nova Iorque.

De acordo com a organização do certame – da Trienal de Arquitetura de Lisboa em coprodução com a empresa Do You Mean Arquitecture – a adaptação do trabalho de investigação ao grande ecrã centrou-se em oito projetos do atelier, e nas ligações que estes estabelecem com o território português e com o corpo humano.

O documentário usa a dança e o movimento da coreógrafa e bailarina contemporânea Teresa Alves da Silva, com música original composta por Noiserv, para revelar o trabalho do galardoado atelier que recebeu recentemente um Prémio Valmor e um dos seus mentores, Manuel Aires Mateus, o Prémio Pessoa 2017.

A sessão será conduzida por Sofia Mourato, diretora do festival, contando ainda com a presença do realizador, Henrique Pina, dos arquitetos Francisco e Manuel Aires Mateus, dos produtores Maria João Soares, Susana Tavares dos Santos e João Miguel Couto Duarte, e da bailarina Teresa Alves da Silva.

Nascido em Lisboa, em 1987, Henrique Pina licenciou-se em cinema na Roehampton University, em Londres, e, em 2016, criou a própria empresa, Moonway Films. Estreou-se com a curta-metragem “Tejo”, em 2010, apresentou a também curta “Passerby”, no Lisbon & Estoril Film Festival, e, em 2013, novamente uma curta, “The World is Falling apart (and still people fall in love)”, foi galardoada com o Prémio Melhor Ficção Nacional no Oporto International Film Festival.

De acordo com a organização, na 6.ª edição do Arquiteturas, que exibe filmes – documentais, experimentais e ficção – dedicados a esta disciplina, será dado ênfase, este ano, ao papel da ficção na produção de espaços na memória coletiva das cidades e indivíduos.

No ano passado, o certame apresentou mais de vinte filmes em estreia nacional, abrindo com o documentário “REM: Rem Koolhaas”, de Tomas Koolhaas, filho do arquiteto holandês reconhecido mundialmente, autor do projeto da Casa da Música, no Porto. Este ano, a 6.ª edição do Festival Internacional de Cinema Arquiteturas decorrerá entre 6 a 10 de junho.