Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Prestes a comemorar 55 anos de existência (começou a ser comercializado em 1964), o “eterno” Porsche 911 prepara a sua próxima geração, a que foi dado o nome de código 992 e  cuja apresentação deverá acontecer, muito provavelmente, no Salão Automóvel de Paris, em Outubro. Sendo que, enquanto o momento não chega e para aguçar a curiosidade, o próprio fabricante acaba de divulgar as primeiras três imagens oficiais do modelo… Totalmente camuflado!

No entanto, e também com o intuito de suavizar a “quase desilusão”, a garantia deixada desde já pela própria Porsche de que a unidade nas fotografias é uma versão de quase-produção, cujas linhas poucas ou nenhumas alterações apresentam face ao novo 911 que veremos em breve a circular na estrada. Deixando também a certeza de que, pelo menos em termos estéticos, o futuro desportivo de Estugarda apostará na evolução do conceito e não na revolução.

Ainda sobre o futuro 911, o director de produto August Achleitner assegura que o novo desportivo não será terá uma versão eléctrica, subscrevendo assim as indicações de que, pelo menos nos próximos 10 anos, dificilmente surgirá um 911 100% eléctrico. O que não quer dizer que não possa haver “uma opção diferente ao longo da vida do [próximo] modelo”, afirmou o mesmo responsável.

Pode ser híbrido, mas terá sempre volante

As palavras de Achleitner deixam assim no ar a possibilidade de o 992 vir a contar com uma versão híbrida, do tipo plug-in, que lhe permita circular uma determinada distância – cerca de 50 km – em modo exclusivamente eléctrico, conseguindo não poluir nas pequenas deslocações em ciclo urbano. O 911 PHEV poderá chegar ao mercado por volta de 2023, com uma potência (ainda por confirmar) de 485 cv e 761 Nm de binário.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Descrito pelo próprio August Achleitner como “o coração da Porsche”, o responsável pelo modelo afirma ainda, numa clara alusão ao advento dos veículos autónomos, que o 911 “terá sempre um volante”. Sendo que, se os veículos 100% autónomos vierem mesmo a tomar conta do mercado, e mais cedo do que se pensa, fica desde já a promessa de que o 911 será dos últimos a adoptar essa solução, o que só acontecerá a pedido dos clientes.

“O melhor 911 de todos os tempos”

Ainda sobre a geração que aí vem, Achleitner assegura que, mesmo sem adoptar mudanças radicais, a evolução conseguida com o 992 fará da próxima geração “o melhor 911 de todos os tempos”.

Embora a Porsche pouco ou nada divulgue sobre este tema, as informações mais recentes apontam no sentido de que o futuro 911 venha a ter, como versão topo de gama, um Turbo S com 630 cv (contra os 580 cv do modelo actual),  garantidos pelo conhecido bloco seis cilindros boxer com 3,8 litros, fruto também da inclusão de hardware importado do GT2 RS.

Mais abaixo, na hierarquia da gama, estará a versão Turbo, relativamente ao qual os rumores falam de uma potência de 592 cv. O que, a confirmar-se, será, ainda assim, um aumento de 52 cv, face aos actuais 540 cv de potência.

Plataforma mais evoluída

O novo 992 terá ainda por base uma evolução da já conhecida plataforma MMB, a qual regista um decréscimo de peso, graças a uma maior utilização de alumínio e de aço ultraleve na sua construção. Através das fotos-espia já conhecidas, o modelo parece possuir uma maior largura, ainda que mantendo o comprimento praticamente inalterado, com a nova plataforma a proporcionar igualmente uma melhor habitabilidade interior.

Segundo os últimos rumores, as previsões apontam para que a Porsche apresente o novo 911 em Outubro, durante o Salão Automóvel de Paris, muito possivelmente, nas versões Carrera 2S e 4S. Embora, e tal como há muito acontece com os seus antecessores, tudo aponte para que venha, a partir daí, a contar com várias versões. Incluindo um novo Targa.