A SAD do Benfica teve este semestre 19,1 milhões de euros de lucro, um valor mais de sete vezes superior aos 2,6 milhões alcançados um ano antes, como relembra o Jornal de Negócios. A SAD do Sporting, por seu turno, viu os lucros caírem bastante, dos 46,5 milhões do mesmo período homólogo do ano passado para apenas 10,1 milhões — mas, por outro lado, conseguiu reduzir o seu passivo em 40 milhões de euros.

Os resultados do primeiro semestre de Benfica e Sporting foram comunicados esta quarta-feira pelos próprios clubes à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e dão conta da situação financeira de dois dos maiores clubes de futebol do país.

Os encarnados comunicaram à CMVM que os seus rendimentos operacionais recuaram 6,9% face à época passada, em parte pelo afastamento da Liga dos Campeões. Contudo, a receita com a venda de jogadores subiu de 18,9 milhões na época homóloga do ano passado para 45 milhões este semestre, graças aos direitos de atletas como Nélson Semedo, Kostas Mitroglou e Rui Fonte.

Para além dos bons resultados nas receitas, o Benfica conseguiu ainda reduzir a dívida bancária em 7,8 milhões e o passivo em 53 milhões.

No que toca aos leões, o aumento dos proveitos operacionais em quase 10%, graças ao aumento dos prémios da UEFA pela participação na fase de grupos da Champion, não chegou para impedir uma queda acentuada nos lucros: de 46,5 milhões no primeiro semestre da época 2016/2017 para apenas 10 milhões este semestre.

Contudo, o Sporting realça no seu comunicado, citado pelo ECO, que conseguiu reduzir em 40 milhões de euros o seu passivo global, devido “ao reembolso de dívida bancária no montante de 18.729 milhares de euros, redução de provisões no montante de 9.590 milhares de euros e de fornecedores em 12.893 milhares de euros”.

As contas semestrais da SAD do Porto, reveladas ao fim da noite de quarta-feira-feira, mostram uma redução nos prejuízos, menos 5,6 milhões para 23,9 milhões de euros. Os azuis destacam uma melhoria de um milhão de euros nos resultados operacionais, sem proveitos com passes de jogadores, apesar de uma queda nas receitas obtidas com a participação nas competições europeias.

O Porto fechou o semestre com um passivo de 380 milhões de euros, o que representou uma queda de 7,280 milhões de euros, graças à diminuição do saldo a pagar a fornecedores.

Atualizado às 23.35 com contas da SAD do Futebol Clube do Porto.