Alterações Climáticas

Em pleno inverno, o Árctico está 20 graus mais quente do que era suposto

828

Na altura mais fria do ano no Árctico, as temperaturas têm estado várias vezes -- e durante longos períodos de tempo -- acima dos 0ºC. Em 2018, a Europa já esteve mais fria do que o pólo.

ESTER SERRAO/LUSA

O Árctico está a derreter em pleno inverno. Uma onda de calor sem precedentes no pólo norte, que até março não vê qualquer luz solar, deixou as temperaturas acima dos 0 graus Celsius em fevereiro, encontrando-se mais quente do que vários locais na Europa.

Cientistas temem que o aquecimento global por detrás de um enfraquecimento ou colapso do vórtice polar — os ventos que insulam os pólos e mantém as temperaturas frias nas latitudes altas. No Árctico, a média de temperaturas diárias em 2018 tem estado 20ºC mais elevada do que a de anteriores anos.

Este colapso também levou a que a Gronelândia tenha passado 61 horas com temperaturas acima da de congelamento em 2018, três vezes mais do que em qualquer outro ano, naquela que devia ser a altura mais fria do ano nos pólos. De acordo com o The Guardian, as temperaturas na Sibéria subiram mesmo 35ºC graus por culpa das correntes de ar quentes.

Os picos de temperatura no Árctico não são incomuns e variam consoante a força do vórtice polar, que afasta as massas de ar quentes. Contudo, os picos de calor são cada vez mais frequentes e duram cada vez mais, sendo este último o mais intenso e um dos mais longos de sempre a ocorrer durante o inverno.

A força do vórtice polar depende da diferença de temperaturas entre o Árctico e as latitudes médias, a qual está a diminuir devido ao facto de o pólo estar a aquecer mais rápido do que o restante planeta. O aquecimento médio do planeta ronda 1ºC, menos do que no Árctico, onde anda por volta dos 3ºC.  O gelo, por isso, está a derreter. De acordo com a NASA, o gelo do oceano Árctico está a desaparecer a uma taxa de 13,2% por década, o que também leva a um aumento de temperaturas.

Uma das hipóteses que está a ser dada é a de que um Árctico quente se traduz em continentes frios, devido ao facto de o vórtice polar “sugar” mais ar quente e expelir mais frio. A teoria ainda é algo controversa entre cientistas por não ser evidente em todos os modelos climáticos, mas enquadra-se com o fenómeno que tem decorrido no início deste ano — a dadas alturas, esteve mais frio em Londres do que no cabo Morris Jesup, o ponto mais a norte da Gronelândia.

Aliás, o centro de meteorologia no cabo, que se encontra a cerca de 700 quilómetros do pólo norte, registou que, durante 10 dias seguidos, a temperatura esteve parte do dia acima dos 0ºC. No passado domingo, a temperatura atingiu mesmo 6,1ºC.

Ainda não é certo se se trata de um evento singular ou se as projecções de aquecimento no Árctico devem ser alteradas. No entanto, pensa-se que as temperaturas recentes podem, possivelmente, vir a acelerar ainda mais as alterações climáticas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Clima

As crianças que lutam por um mundo pior /premium

Alberto Gonçalves
1.210

Na idade da menina Alice e do menino Gil, fiz diversas greves à escola a pretexto do clima: mal o sol aquecia, trocava as aulas pela praia. Faltou-me ser entrevistado pelos “media”.

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)