O mar transpôs esta quinta-feira o molhe que protege as casas da Cova do Vapor, na Trafaria, Almada, inundando quatro imóveis e cortando o acesso principal à aldeia, constatou a Lusa no local.

Segundo Eduardo Ferreira, da Associação de Moradores da Cova do Vapor, “há mais de 30 anos que a aldeia não era fustigada desta maneira”.

“A força do mar, juntamente com o vento, fizeram isto. Nem chovia muito na altura”, disse Eduardo Ferreira à Lusa. De acordo com o morador, as autoridades chegaram rapidamente ao local depois de terem sido chamadas.

Eduardo Ferreira explicou que em causa está apenas uma casa de habitação permanente, enquanto as restantes três afetadas são de fim de semana ou férias. O morador lembrou também que não houve mais problemas porque o molhe de pedras foi “há cerca de cinco/seis anos intervencionado com apoio da Administração do Porto de Lisboa”.

“Houve uma grande reposição de pedra e é isso que tem protegido ao longo destes anos das intempéries e avanços de mar”, disse.