Festivais de Cinema

Cineasta Ulrich Seidl no Córtex – Festival de Curtas-Metragens de Sintra em abril

Apesar de ser um festival de curtas-metragens, o filme "Safari" de Ulrich Seidl faz parte da programação do Córtex. O cineasta austríaco vai marcar presença em Sintra, em abril.

CLAUDIO ONORATI/EPA

O realizador austríaco Ulrich Seidl vai estar em abril em Portugal a convite do Córtex — Festival de Curtas-Metragens de Sintra, que lhe dedicará uma retrospetiva, foi anunciado esta segunda-feira.

O Córtex, que cumpre a oitava edição, terá mais dias de programação, de 11 a 15 de abril, no Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, e pela primeira vez estende-se a Lisboa, com filmes a exibir no cinema Ideal até ao dia 18.

Apesar de ser dedicado à curta-metragem, com uma seleção de obras nacionais e internacionais, o festival abre exceção às longas-metragens, para exibir na abertura “Safari” (2016), o mais recente filme de Ulrich Seidl. “Safari” é “um documentário duro e violento” sobre “um grupo de turistas alemães e austríacos que viajam até África para se dedicarem à caça”, afirma a organização.

Esta não é a primeira vez que o cinema de Ulrich Seidl, 66 anos, é mostrado em Portugal, uma vez que outros festivais, como o IndieLisboa e o Fantasporto, programaram filmes dele. A retrospetiva organizada pelo Córtex mostrará o período inicial da carreira do cineasta, “dando a conhecer pela primeira vez os seus filmes de escola e as produções que realizou para televisão nos anos 90”, lê-se na programação.

Este ano o Córtex terá uma secção nova, intitulada “Frontal”, com uma programação de curtas-metragens destinada a “unir jovens adolescentes e séniores. (…) Esta é uma iniciativa inédita nunca antes pensada para um festival de cinema em Portugal”, afirma a organização.

Entre os filmes escolhidos, todos documentários, estão “Não são favas, são feijocas”, de Tânia Dinis, e “Rhoma Acans”, de Leonor Teles. Este ano, o Córtex selecionou 15 curtas-metragens para a competição internacional e outras tantas da competição portuguesa, produzidas entre 2016 e 2017.

Na secção portuguesa foram incluídos, entre outros, “Cidade Pequena”, de Diogo Costa Amarante, “Coup de Grâce”, de Salomé Lamas, “Altas cidades de ossadas”, de João Salaviza, “Miragem meus putos”, de Diogo Baldaia, “Surpresa”, de Paulo Patrício, e “O meu pijama”, de Maria Inês Gonçalves.

O júri integra este ano Beatriz Batarda, Cláudia Lucas Chéu, Sérgio Tréfaut, Ana David, João Ferreira e Margarida Leitão.

A secção “Hemisfério”, que anualmente é programada por uma instituição de cinema internacional, tem curadoria do festival austríaco Vienna Shorts.

Este ano o Córtex terá ainda curtas-metragens para os mais novos, numa parceria com o Monstra — Festival de Animação de Lisboa, e atuações de Conan Oisiris e Soho no Museu das Artes de Sintra. O Córtex é uma iniciativa da Reflexo — Associação Cultural e Teatral, com apoio da Câmara Municipal de Sintra.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Austeridade

Os custos das escolhas estão aí /premium

Helena Garrido

Todas as escolhas têm custos. Mesmo que à primeira vista não pareçam. Os custos das escolhas financeiras feitas pelo Governo estão agora visíveis na Saúde e nos Transportes, agravando as desigualdades

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)