O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, mostrou-se esta sexta-feira preocupado com a “distância crescente” entre o que os sistemas de saúde podem proporcionar e aquilo que as sociedades deles esperam. “Preocupa-me o ‘gap’, a distância crescente entre aquilo que os sistemas podem proporcionar e aquilo que as sociedades deles esperam”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, que falava na sessão de encerramento do encontro regional da Cimeira Mundial de Saúde, no Convento São Francisco, em Coimbra.

Segundo o chefe de Estado, a ação política contemporânea “corre atrás do tempo”, sendo que, na área da saúde, essa corrida assume contornos “dramáticos”. “No domínio da saúde, o drama é este: Tudo aquilo que se atinja passa nesse minuto a ser óbvio e banal. O galope das exigências é imparável. São assim as sociedades atuais, porque são mediáticas, são inorgânicas, são ansiosas”, disse.

O encontro regional da Cimeira Mundial de Saúde, que começou na quinta-feira, reúne mais de 700 peritos, num evento em que o tema central é a saúde global dos países africanos. Durante a reunião em Coimbra serão apresentadas comunicações por cerca de 120 oradores de mais de 40 países, distribuídos por mais de 20 sessões de trabalho e quatro sessões plenárias, que vão abordar temas como a mortalidade infantil, cuidados de saúde após conflitos armados, doenças infecciosas, alterações climáticas, medicina digital, reversão da disseminação da malária, migração e saúde e acesso a vacinas.