Meteorologia

Todas as regiões do país com risco muito elevado devido à radiação UV

Todas as regiões do continente, Açores e Madeira apresentam esta quinta-feira um risco muito elevado e elevado de exposição à radiação ultravioleta (UV).

FAROOQ KHAN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Todas as regiões do continente, Açores e Madeira apresentam esta quinta-feira um risco muito elevado e elevado de exposição à radiação ultravioleta (UV), segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Todas as regiões do país estão com risco muito elevado de exposição à radiação UV, com exceção de Braga, Viana do Castelo e o arquipélago da Madeira, que estão com níveis elevados.

Para as regiões com risco muito elevado e elevado, o IPMA recomenda o uso de óculos de sol com filtro UV, chapéu, ‘t-shirt’, guarda-sol e protetor solar, além de desaconselhar a exposição das crianças ao sol. Os índices UV variam entre 1 e 2, em que o UV é baixo, 3 a 5 (moderado), 6 a 7 (elevado), 8 a 10 (muito elevado) e superior a 11 (extremo).

O IPMA prevê para hoje no continente céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade a partir da tarde e em especial nas regiões do interior, possibilidade de ocorrência de aguaceiros e trovoada a partir da tarde nas regiões do interior, em especial do Norte e Centro.

Está também previsto vento fraco a moderado do quadrante leste, rodando para o quadrante oeste a partir da tarde, e soprando moderado de nordeste nas terras altas até meio da manhã e para o final do dia. A previsão aponta ainda para a possibilidade de neblina ou nevoeiro matinal no litoral Centro, pequena subida da temperatura mínima e descida da máxima na região Sul.

As temperaturas mínimas vão oscilar entre os 10 graus Celsius (em Bragança e na Guarda) e os 17 (em Lisboa e Portalegre) e as máximas entre os 22 (na Guarda) e os 29 (em Coimbra e Braga).

Na Madeira prevê-se céu geralmente muito nublado, com abertas nas vertentes sul da ilha, aguaceiros fracos, mais prováveis nas vertentes norte e nas zonas montanhosas e vento moderado de norte, soprando forte e com rajadas até 65 quilómetros por hora nas zonas montanhosas e no extremo leste até ao início da tarde. Já no Funchal as temperaturas vão variar entre 16 e 21 graus. No grupo ocidental dos Açores (Corvo e Flores) prevê-se céu geralmente pouco nublado e vento oeste bonançoso e no grupo central (S. Jorge, Terceira, Graciosa, Pico e Faial) prevê-se períodos de céu muito nublado com boas abertas e vento fraco a bonançoso de noroeste.

O IPMA prevê para no grupo oriental (São Miguel e Santa Maria) períodos de céu muito nublado com boas abertas, possibilidade de aguaceiros fracos durante a madrugada e manhã e vento norte bonançoso a moderado, rodando para nordeste.

Em Santa Cruz das Flores as temperaturas vão variar entre 14 e os 23, na Horta entre os 14 e os 22, em Angra do Heroísmo entre 13 e os 22 e em Ponta Delgada entre os 13 e os 21 graus.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)