Museus

Exposição sobre felicidade no MAAT recebeu 23 mil visitantes

A exposição "The Happy Show", com obras de Stefan Sagmeister, sobre a felicidade, que esteve patente no MAAT, em Lisboa, recebeu 23 mil visitantes, indicou esta entidade à agência Lusa.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

A exposição “The Happy Show”, com obras de Stefan Sagmeister, sobre a felicidade, que esteve patente no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa, recebeu 23 mil visitantes, indicou esta quinta-feira esta entidade à agência Lusa. A mostra, com obras interativas que procuravam responder a questões como “O que é a felicidade?”, “Como a encontrar?” e “O que fazemos realmente para ser felizes?”, esteve patente durante cerca de dois meses, no MAAT, tendo encerrado na segunda-feira.

A exposição resultou de uma pesquisa de mais de dez anos realizada por Stefan Sagmeister sobre o conceito de felicidade, apresentada através de vídeo, infografias, esculturas e instalações interativas. As obras usam o humor, a provocação e a interação para levar o espetador a uma viagem pela mente de Sagmeister e pelas suas visões sobre como as pessoas podem ser mais felizes.

Sagmeister utiliza um design gráfico emocional para se ligar às pessoas, testando a fronteira entre o design e a arte, ou a ciência e a cultura do dia-a-dia, transgredindo as barreiras entre estes conceitos. Na mostra, o autor fazia um apelo a uma atitude mais participativa na busca da felicidade, afirmando inclusivamente que esta se treina, tal como se treina o corpo, com exercício físico. “The Happy Show”, com curadoria de Claudia Gould, esteve patente ao público de 13 de abril a 4 de junho.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Arquitetura

Um museu dos “portugueses eram mesmo maus"?

José Manuel Fernandes Arq.
255

Reivindico o direito que temos à essência do nosso país, a assumir do seu contributo para o Mundo ao longo dos últimos 600 anos de expansão e colonização. Sem isso pouco Portugal teria dado ao planeta

Museus

Descobertas e má consciência /premium

Paulo Tunhas

O que a conversa contemporânea sobre a palavra “descobertas” faz é omitir os diferentes sentidos da palavra. Tal como para as celebrações de Salazar, é o aspecto político o único que realmente conta.

Polémica

Museu Portugal Global, e não Museu das Descobertas

Matilde Sousa Franco

“A história portuguesa é história global” e “o lugar de Portugal é de crucial importância”! Porquê continuarmos a menorizarmo-nos a nós próprios? Porquê ter medo de admitir que Portugal foi global?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)