Mundial 2018

Japão e Senegal de mãos dadas com 2002

Não se defrontaram em 2002, mas ambas as seleções podem olhar para a competição desse ano e recordar os registos que tinham ao fim de duas jornadas. E, por agora, podem sorrir.

AFP/Getty Images

Japão e Senegal não se defrontaram há 16 anos, no Mundial 2002. Mas o jogo deste domingo entre as duas equipas faz com que ambas tenham vontade de recordar essa competição. Nesse ano, os senegaleses estrearam-se em Campeonatos do Mundo e na lista de convocados está num jogador chamado Aliou Cissé. Fez cinco jogos nesse torneio, e agora é o selecionador da seleção que disputa na Rússia o segundo Mundial da sua história.

Aliou Cissé era o capitão da equipa que, em 2002, chegou aos quartos-de-final do Mundial. Em 2014 assumiu o cargo de selecionador.

Nesse ano, o Senegal surpreendeu o mundo. Passou em segundo lugar na fase de grupos, ficando à frente do Uruguai e da França. A campanha em 2002 começou com uma vitória contra os franceses, a que se seguiu um empate com a Dinamarca. Agora, fez o mesmo. Não contra as mesmas equipas, mas começou igualmente com uma vitória (2-1 contra a Polónia), e o empate deste domingo contra o Japão (2-2) permite igualar os quatro pontos que tinha ao fim das duas primeiros jornadas há 16 anos. Vale o que vale, mas em 2002 o Senegal passou o grupo com cinco pontos e ainda eliminou a Suécia nos oitavos-de-final.

(HECTOR RETAMAL/AFP/Getty Images)

Para o Japão, o que está a ser feito este ano também faz sonhar. Outra vez 2002. Os nipónicos dividiram a organização do torneio com a Coreia do Sul. Ao fim de dois jogos tinham quatro pontos. Agora, na Rússia, derrotaram a Colômbia na primeira jornada. Três mais um é igual a quatro. São esses os pontos que o Japão tem este ano.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comentário Político

A indisposição conservadora

António Pedro Barreiro

O conservador não tem nada em comum com a Esquerda pós-moderna e libertária, rendida a uma “cultura de repúdio” por todas as instituições, práticas, arranjos e costumes herdados da experiência passada

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)