Mundial 2018

A carta ao gestor das redes sociais e o cântico personalizado que fazem de Southgate um treinador especial

Selecionador inglês conquistou o coração do mais exigente dos adeptos britânicos e os bons resultados não justificam tudo: a personalidade de Southgate teve um papel importante nesta ligação.

Southgate, no centro do relvado, a agradecer aos adeptos: uma imagem repetida em todos os jogos da Inglaterra no Mundial

AFP/Getty Images

O sonho inglês de levar o título de campeão do mundo para casa como em 1966 foi destruído pelos croatas, nas meias-finais da prova, com uma reviravolta que destroçou até o menos aficionado dos britânicos. No final da partida, os adeptos ingleses que marcaram presença no Luzhniki Stadium, em Moscovo, não tiveram razões para celebrar, vendo-se obrigados a lidar com a desilusão da eliminação, depois de 120 minutos de futebol e incerteza no resultado. Ainda assim, e mostrando que se comportam melhor quando perdem do que quando ganham (não esquecer os excessos cometidos aquando da vitória sobre a Suécia, nos quartos), os apoiantes britânicos que foram à Rússia mantiveram-se nas bancadas do recinto para agradecer à seleção inglesa e, principalmente, ao seu treinador, Gareth Southgate.

Algumas dezenas, talvez até centenas, de adeptos ingleses esperaram quase cerca de uma hora no local onde já se encontravam há pelo menos duas (120 minutos de jogo) para dar uma palavra de apreço ao técnico que já passou pelo banco do Middlesbrough. Perdão, não foi bem uma palavra; na realidade, foi todo um cântico especialmente dedicado a Southgate, que, claramente conquistou o coração dos ingleses.

O selecionador inglês fez questão de regressar ao relvado, já depois de ter recolhido aos balneários com o resto da equipa, para agradecer às centenas de ingleses que se deslocaram até à capital russa, num gesto que claramente foi bem recebido nas bancadas. Era quase uma da manhã na Rússia quando se deu o encontro entre Southgate e os britânicos. A receção não podia ter sido melhor, com o nome do selecionador nacional a ser entoado e o cântico que acompanhou os adeptos ingleses durante todo o Mundial a ser cantado pela penúltima vez (sábado, a Inglaterra irá defrontar a Bélgica na disputa pelo terceiro lugar da prova). “Olhando para quando nos conhecemos; não consigo escapar nem consigo esquecer; Southgate, és o tal; ainda mexes comigo; e o futebol está a voltar para casa outra vez “, ouviu o treinador, visivelmente comovido com o momento.

Looking back on when we first met; I cannot escape and I cannot forget; Southgate, you’re the one; you still turn me on; and football’s coming home again”

E como explicar esta relação de proximidade entre o selecionador nacional de Inglaterra e os seus adeptos? Muitos podem ser os motivos, desde a melhoria na qualidade do futebol apresentado pela equipa à personalidade do próprio técnico, sempre muito próximo dos jogadores. Uma coisa é certa: Southgate colocou a Inglaterra nas meias-finais de um Mundial, 28 anos depois e, só por si, tal facto já é digno de reconhecimento dos adeptos ingleses. Mas há mais histórias e gestos do técnico inglês que ajudam a explicar esta aproximação com os seguidores da seleção dos Três Leões. Como a de Jim Lucas, gestor das redes sociais da formação britânica, que, terminado o Mundial, revelou uma carta escrita por Gareth Southgate aquando da chegada a Repino, São Petersburgo, onde a Inglaterra estagiou. 

“Jim. Quanto mais vejo, mais importante é que quando ‘atacarmos esta prova’ contemos a nossa própria história. Tens capturado isso brilhantemente. Continua a fazê-lo e espero que este Mundial te traga memórias pessoais inesquecíveis. Cumprimentos, Gareth”, escreveu o técnico inglês na carta deixada na cama do gestor de redes sociais, que garante tê-la lido todos os dias desde então. O gesto não foi esquecido por Jim Lucas, que, após a eliminação inglesa, fez questão de partilhar a carta na sua conta de Twitter, explicando ao mundo um dos motivos que faz de Southgate um treinador especial.

Em paralelo, e para além de Gareth Southgate, também o plantel inglês teve direito a uma receção especial depois de voltar dos balneários. À sua espera nas bancadas, as mesmas onde se encontravam os adeptos a cantar pelo técnico inglês, estavam as famílias dos jogadores, prontas a consolar quem os levou até terras russas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: flima@observador.pt
Comentário Político

A indisposição conservadora

António Pedro Barreiro

O conservador não tem nada em comum com a Esquerda pós-moderna e libertária, rendida a uma “cultura de repúdio” por todas as instituições, práticas, arranjos e costumes herdados da experiência passada

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)