Hollywood

“Ele amordaçou-me com um preservativo”. Como foi o primeiro casting de Mira Sorvino

136

Amarrada a uma cadeira e amordaçada com um preservativo. Hoje com 50 anos, a atriz Mira Sorvino, uma das vozes apoiantes do movimento #MeToo, contou como foi o seu primeiro casting.

Mira Sorvino foi uma das atrizes que acusou Harvey Weinstein de assédio sexual.

Getty Images for DIRECTV

Autor
  • Catarina Gonçalves Pereira

A atriz Mira Sorvino contou que, na primeira audição que fez, foi amarrada a uma cadeira e amordaçada com um preservativo. Na altura, tinha apenas 16 anos. “O diretor de casting tratou-me de forma totalmente inapropriada“, disse a atriz norte-americana no podcast da Hollywood Press Association.

Sorvino foi uma das atrizes que acusou Harvey Weinstein na sequência dos escândalos de abuso e assédio sexual de que o produtor norte-americano foi acusado, tendo sido uma das vozes que mais tem apoiado o movimento #MeToo. Desta vez, contou mais algumas das experiências pelas quais passou, mas não falou em nomes.

Para me assustar, para a cena do filme de terror, ele amarrou-me a uma cadeira, magoou-me o braço, e eu tinha 16 anos, depois amordaçou-me (…) no fim tirou a mordaça da minha boca e disse: “Desculpa pelo preservativo.” Ele amordaçou-me com um preservativo”, relembrou.

Com 50 anos, Sorvino questiona hoje aquela situação: “Foi tão inapropriado, e o que estava um diretor de casting a fazer com um preservativo no bolso durante uma audição?“. Depois acrescentou que esta foi uma das primeiras “introduções” à forma como funciona “o sistema” — “Quando és jovem, não questionas”, disse, explicando que achava que tinha de se submeter a situações humilhantes como aquela para conseguir entrar nos filmes.

As pessoas tiram proveito dessa ideia que temos. Aproveitam-se sempre“, prosseguiu, acrescentando que teve de passar por outros episódios do género ao longo da sua carreira, como diretores que lhe diziam que, se mantivesse relações sexuais com eles, o “papel” era dela. Sorvino diz que esta situação lhe aconteceu “inúmeras vezes”, mas porque nunca o fez, chegou mesmo a perder oportunidades de participar em alguns filmes.

A atriz não se fica por aqui e chega mesmo a dizer que “um grande realizador, conhecido pelo perfil de justiça social” lhe disse num casting: “Sabes, assim que olho para ti, a minha mente não pode evitá-lo. Viaja sobre possibilidades artísticas e sexuais“. “Acho que a minha boca se abriu de espanto e o meu silêncio foi ensurdecedor”, disse Sorvino sobre o momento em que ouviu estas palavras.

Este ano, Mira Sorvino já tinha contado à revista norte-americana The New Yorker que Weinstein a tentou forçar a manter uma relação física quando trabalhavam juntos. O caso em específico remonta a 1995, durante o Festival Internacional de Filmes de Toronto, onde a atriz foi submetida a uma situação desagradável quando se encontrou com o produtor num quarto de hotel: “Ele começou a massajar-me os ombros, o que me deixou muito desconfortável, depois tentou algo mais físico”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)