Alojamento Local

Alojamento Local recebeu 3,4 milhões de hóspedes e gerou 263 milhões de euros

O alojamento local recebeu em Portugal 3,4 milhões de hóspedes em 2017, numa subida homóloga de quase 29% e 8 milhões de dormidas. Foram gerados 263 milhões de euros em proveitos totais.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O alojamento local recebeu em Portugal 3,4 milhões de hóspedes em 2017, numa subida homóloga de quase 29% e 8 milhões de dormidas (+26,7%), informou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE), que revelou que foram gerados 263 milhões de euros de proveitos totais (27,6%). No documento sobre Turismo em 2017, o Instituto Nacional de Estatística (INE) referiu que os alojamentos turísticos em Portugal receberam 24,1 milhões de hóspedes e contabilizaram 65,8 milhões de dormidas.

No final de julho de 2017, a oferta em alojamento local chegava a 2.663 estabelecimentos, correspondente a 66,6 mil camas. Segundo o documento, as dormidas aumentaram em todas as regiões, de “forma mais expressiva no Centro (+42,3%), Área Metropolitana de Lisboa (+31,4%), Região Autónoma da Madeira (+22,5%) e Norte (+25,2%)”.

“A região da AM Lisboa captou a maior proporção de dormidas (35,7% do total), seguindo-se o Norte (18,7%) e o Algarve (15,4%)”, segundo o INE. Na análise do aumento de 1,7 milhões de dormidas face a 2016, o INE referiu que 40,5% foi proveniente da região de Lisboa (678,7 mil dormidas adicionais), 18,9% do Centro (316,6 mil dormidas acrescidas) e 17,8% do Norte (acréscimo de 298,9 mil dormidas).

Houve 2,7 milhões de dormidas no alojamento local (+16,4% face a 2016) de residentes, representando 34% do total das dormidas. As dormidas dos portugueses concentraram-se, essencialmente, no Norte (25,4% do total de dormidas), Lisboa (24,2%) e Centro (23,2%). Os mercados externos registaram 5,2 milhões de dormidas (+32,8%) e os destinos preferenciais foram Lisboa (41,7% do total de dormidas), Madeira (16,7%), Algarve (16,4%) e Norte (15,2%).

Entre os estrangeiros, a Alemanha foi o principal mercado emissor (14,9% do total das dormidas de não residentes) e apresentou um crescimento de 27,4%. Seguiram-se os mercados francês, britânico e espanhol (+22,3%, +20,9% e +31,5%, respetivamente), com quotas de, respetivamente, 12,8%, 11,8% e 10,7% das dormidas de não residentes.

Foram ainda destacadas as subidas da Polónia (+79,8%), Estados Unidos (+64,8%) e Brasil (+54,6%). As dormidas dos mercados alemão e polaco repartiram-se pela zona de Lisboa (33,2% e 37,8%, respetivamente) e Madeira (32,4% e 23,5%), enquanto os britânicos preferiram maioritariamente o Algarve (38,0%) e a Madeira (25,5%).

Os turistas dos Países Baixos estiveram sobretudo no Algarve (35,1%) e Lisboa (30,8%). Os restantes principais mercados apresentaram como primeira opção Lisboa, nomeadamente residentes nos Estados Unidos (62,2%), Brasil (57,9%) e Itália (56,0%). A estada média no alojamento local foi de 2,35 noites (-1,6%), com médias de maior permanência na Madeira (4,80 noites), Algarve (3,23 noites) e Lisboa (2,37 noites).

No alojamento local, a taxa líquida de ocupação-cama situou-se em 37,2% (+2,4 p.p.) e as regiões com valores mais elevados neste indicador foram Lisboa (49,8%), Algarve (40,7%) e Madeira (37,3%). Os estabelecimentos de alojamento local atingiram 263 milhões de euros de proveitos totais (+27,6% em relação a 2016) e 227,5 milhões de euros de proveitos de aposento (+33,8%).

As regiões de Lisboa e do Centro apresentaram crescimentos expressivos (+39,9% e +36,4% nos proveitos totais, +45,1% e +47,4% nos de aposento, respetivamente). O rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) foi 25,4 euros (+16,4%), com os valores mais altos a registarem-se em Lisboa (44,2 euros) e Algarve (32,5 euros).

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mulher

A filha do feminismo

Daniela Silva

O insólito, inédito fardo que recai sobre a mulher exige repensar as prioridades valorizadas em sociedade e desafiar o paradigma igualitário que tem inspirado escolhas privadas e orientações políticas

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)