Rádio Observador

Alojamento Local

Alojamento Local recebeu 3,4 milhões de hóspedes e gerou 263 milhões de euros

O alojamento local recebeu em Portugal 3,4 milhões de hóspedes em 2017, numa subida homóloga de quase 29% e 8 milhões de dormidas. Foram gerados 263 milhões de euros em proveitos totais.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O alojamento local recebeu em Portugal 3,4 milhões de hóspedes em 2017, numa subida homóloga de quase 29% e 8 milhões de dormidas (+26,7%), informou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE), que revelou que foram gerados 263 milhões de euros de proveitos totais (27,6%). No documento sobre Turismo em 2017, o Instituto Nacional de Estatística (INE) referiu que os alojamentos turísticos em Portugal receberam 24,1 milhões de hóspedes e contabilizaram 65,8 milhões de dormidas.

No final de julho de 2017, a oferta em alojamento local chegava a 2.663 estabelecimentos, correspondente a 66,6 mil camas. Segundo o documento, as dormidas aumentaram em todas as regiões, de “forma mais expressiva no Centro (+42,3%), Área Metropolitana de Lisboa (+31,4%), Região Autónoma da Madeira (+22,5%) e Norte (+25,2%)”.

“A região da AM Lisboa captou a maior proporção de dormidas (35,7% do total), seguindo-se o Norte (18,7%) e o Algarve (15,4%)”, segundo o INE. Na análise do aumento de 1,7 milhões de dormidas face a 2016, o INE referiu que 40,5% foi proveniente da região de Lisboa (678,7 mil dormidas adicionais), 18,9% do Centro (316,6 mil dormidas acrescidas) e 17,8% do Norte (acréscimo de 298,9 mil dormidas).

Houve 2,7 milhões de dormidas no alojamento local (+16,4% face a 2016) de residentes, representando 34% do total das dormidas. As dormidas dos portugueses concentraram-se, essencialmente, no Norte (25,4% do total de dormidas), Lisboa (24,2%) e Centro (23,2%). Os mercados externos registaram 5,2 milhões de dormidas (+32,8%) e os destinos preferenciais foram Lisboa (41,7% do total de dormidas), Madeira (16,7%), Algarve (16,4%) e Norte (15,2%).

Entre os estrangeiros, a Alemanha foi o principal mercado emissor (14,9% do total das dormidas de não residentes) e apresentou um crescimento de 27,4%. Seguiram-se os mercados francês, britânico e espanhol (+22,3%, +20,9% e +31,5%, respetivamente), com quotas de, respetivamente, 12,8%, 11,8% e 10,7% das dormidas de não residentes.

Foram ainda destacadas as subidas da Polónia (+79,8%), Estados Unidos (+64,8%) e Brasil (+54,6%). As dormidas dos mercados alemão e polaco repartiram-se pela zona de Lisboa (33,2% e 37,8%, respetivamente) e Madeira (32,4% e 23,5%), enquanto os britânicos preferiram maioritariamente o Algarve (38,0%) e a Madeira (25,5%).

Os turistas dos Países Baixos estiveram sobretudo no Algarve (35,1%) e Lisboa (30,8%). Os restantes principais mercados apresentaram como primeira opção Lisboa, nomeadamente residentes nos Estados Unidos (62,2%), Brasil (57,9%) e Itália (56,0%). A estada média no alojamento local foi de 2,35 noites (-1,6%), com médias de maior permanência na Madeira (4,80 noites), Algarve (3,23 noites) e Lisboa (2,37 noites).

No alojamento local, a taxa líquida de ocupação-cama situou-se em 37,2% (+2,4 p.p.) e as regiões com valores mais elevados neste indicador foram Lisboa (49,8%), Algarve (40,7%) e Madeira (37,3%). Os estabelecimentos de alojamento local atingiram 263 milhões de euros de proveitos totais (+27,6% em relação a 2016) e 227,5 milhões de euros de proveitos de aposento (+33,8%).

As regiões de Lisboa e do Centro apresentaram crescimentos expressivos (+39,9% e +36,4% nos proveitos totais, +45,1% e +47,4% nos de aposento, respetivamente). O rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) foi 25,4 euros (+16,4%), com os valores mais altos a registarem-se em Lisboa (44,2 euros) e Algarve (32,5 euros).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jesus Cristo

Santos da casa também fazem milagres! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
261

Todas as casas reais peninsulares descendem do profeta Maomé. Há uns séculos, este parentesco era muito indesejável mas ainda poderá ser de grande utilidade, se a Europa for ocupada pelo Islão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)