Sporting

Fim de linha para Bruno de Carvalho: Henrique Monteiro defende que ex-líder não pode sequer assinar listas

1.152

Henrique Monteiro, coordenador da Comissão de Fiscalização, explicou em entrevista ao jornal do clube que os ex-dirigentes suspensos não podem ser candidatos nem sequer assinar listas a sufrágio.

Henrique Monteiro admite que não esperava ter tanto trabalho quando assumiu o cargo na Comissão de Fiscalização

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O prazo para a entrega e formalização de listas às próximas eleições do Sporting termina apenas esta quinta-feira, mas ninguém admite a hipótese de aparecer ainda mais uma figura depois das oito candidaturas que apresentaram os requisitos nos últimos dias e da desistência de Carlos Vieira. Dessa forma, o foco passa agora para a resposta da Mesa, aqui apoiada pela Comissão de Fiscalização e pelos serviços do clube, aos cadernos que têm sido entregues a Jaime Marta Soares, num processo que pode ser moroso pela necessidade de conferir se existem signatários a assinar mais do que uma lista, o que fará que sejam “riscados” de todas as que tenham integrado. E, sobretudo, na principal dúvida existente: poderá o antigo líder destituído Bruno de Carvalho concorrer às eleições? Antes do tempo, Henrique Monteiro, coordenador da Comissão de Fiscalização, respondeu.

À pergunta “Não poderão, então, nenhum desses elementos suspensos apresentar-se a eleições a 8 de setembro?”, o jornalista e diretor editorial adjunto do grupo Impresa não teve dúvidas na resposta ao jornal do clube: “Nem subscrever qualquer lista, ser signatário”. Ou seja, e em termos práticos, aquilo que Henrique Monteiro defende é que, além de não poder entrar em nenhuma lista por estar suspenso um ano de sócio, Bruno de Carvalho (e os restantes ex-dirigentes suspensos, entenda-se) não poderá também figurar em nenhum dos cadernos de associados, no total mínimo de 1.000 votos, que são necessários para que qualquer candidatura seja aceite e possa ir a sufrágio. Uma informação que, até ao momento não foi comunicada de forma oficial.

Concretamente sobre o castigo, Henrique Monteiro falou em “violações gravíssimas dos estatutos e regulamentos”. “Não foram graves, foram gravíssimas. Que se consubstanciaram em, basicamente, obstrução completa à marcação da Assembleia Geral de 23 de junho, legitimamente convocada pela única pessoa que podia fazê-lo. Pode argumentar-se com o facto de estar demissionário. Isso não me interessa muito, se disse ou não que se demitia. O importante é o que os estatutos dizem e, no caso da demissão do presidente da Mesa da Assembleia Geral, deve apresentar a sua demissão ao presidente do Conselho Fiscal e Disciplinar, que já se tinha demitido. Não tinha ninguém a quem apresentar a demissão. Mas mesmo que tivesse dito ‘Não quero ser mais PMAG’, teria de se manter em funções até ao último dia de junho”, destacou. “Muitas vezes perguntam-nos por que não expulsámos. Só houve um presidente que foi expulso de sócio e se me perguntarem, mesmo nunca tendo votado nesse presidente, não acho houvesse razões – aliás, até hoje ainda não percebi – para a expulsão”, acrescentou sobre Godinho Lopes.

Por fim, o coordenador da Comissão de Fiscalização abordou também o facto do atual Regulamento Disciplinar ter sido aprovado em Assembleia Geral ainda com Bruno de Carvalho no comando (e na reunião magna que acabou por “legitimar” a continuidade na liderança do clube). “Está na mitologia grega: quando se levanta uma pedra demasiado pesada sobre a cabeça, corre-se o risco de cair em cima do próprio. O Regulamento entrava automaticamente em vigor exceto nos casos em que entrasse em conflito com os estatutos. O melhor exemplo é a sanção de um ano, a mais grave de excluirmos a expulsão. Se fosse pelos novos estatutos, passariam a ser oito anos. Proposto por Bruno de Carvalho. Não quer dizer que fosse essa a sanção aplicada, mas é uma realidade. O que esta Comissão de Fiscalização fez e bem foi aplicar as sanções à data dos factos, não de hoje ou da nota de culpa, porque até na AG de 23 de junho vi violações graves”, salientou Henrique Monteiro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Desigualdade

What’s right na desigualdade? /premium

Maria João Marques

O ponto é este: as pessoas só aprovam a globalização se sentirem que ganham alguma coisa com isso e, mesmo ganhando, se não veem outros ganharem desproporcionadamente mais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)