“Esta semana, entraram duas baratas no quarto dos meus filhos e um deles acordou como uma já nas costas ”. João Antunes vive num terceiro andar de um prédio, em Alverca, no concelho de Vila Franca de Xira, e jura que consegue ver da janela as baratas no passeio. É apenas um dos vários moradores que se queixam de uma praga de baratas que atinge os concelhos de Vila Franca de Xira e Loures, há pelo menos três verões. “Todos os dias tenho várias a entrar no meu apartamento”, lamentou ao Observador.

Os residentes explicam que os insetos estão mais concentrados nas condutas dos esgotos e têm invadido os passeios, principalmente durante a noite. “Na minha rua, as condutas de esgotos estão apinhadas delas. Houve um entupimento. Até chamei os serviços camarários. Quando abriram as tampas, fiquei horrorizada com o que vi: milhares de baratas”, recorda uma moradora de Vila Franca de Xira, num grupo de moradores no Facebook.

Os residentes explicam que os insetos estão mais concentrados nas condutas dos esgotos

Dizem que estão preocupados com os perigos que este inseto pode trazer para a saúde pública, em especial para as crianças. Muitos moradores contam que já viram baratas perto de escolas e jardins de infância, na Póvoa de Santa Iria.

Na minha rua, as condutas de esgotos estão apinhadas delas. Houve um entupimento. Quando abriram as tampas, fiquei horrorizada com o que vi: milhares de baratas”, recorda uma moradora de Vila Franca de Xira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Além de estarem na via pública, as baratas estão também a infestar as casas dos moradores. “Encontrei uma barata enorme na casa de banho, dentro do lavatório”, reclama uma moradora de Póvoa de Santa Iria. Em Loures, o cenário é idêntico. “Não podemos abrir janelas e temos de tapar todos os ralos. As baratas entram na habitação, vindas dos esgotos, trepando as paredes do prédio”, denuncia um morador no Portal da Queixa.

Além de estarem na via pública, as baratas estão também a infestar as casas dos moradores.

“Somos todos comidos pelas baratas”, ironiza uma moradora num grupo de moradores de Alverca, no Facebook. É precisamente nesses grupos, nas redes sociais, que os moradores apresentam provas da existência da praga, sejam elas fotografias ou vídeos. Muitas dessas provas já foram encaminhadas para as autarquias, mas os queixosos dizem que não receberam qualquer resposta.

Residentes acusam autarquia de não resolver problema

Ninguém toma medidas nesta cidade. É uma tristeza”, lamentou João Antunes, numa publicação sobre o problema. É um dos moradores que se queixam de falta de ação por parte de quem devia intervir, ainda que as autarquias garantam que não estão a ignorar o problema. A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira confirmou ao Observador que há dois locais identificados com praga de baratas: Vialonga e Forte da Casa. A mesma fonte garantiu que “todos os anos” são feitas campanhas de desbaratização. “Neste momento está a decorrer a campanha anual de ações de desbaratização, em todo o concelho, que vai até final de setembro”, explicou, acrescentando: “Fora deste período do verão, quando pontualmente surgem situações destas noutras alturas do ano, desde que nos sejam reportadas, atuamos”.

Em Loures, estão em curso intervenções e previstas mais em setembro e outubro

Fonte da Câmara Municipal de Loures também assegura que o plano de controlo do município, quer para situações de emergência quer de prevenção, foi reforçado. Isto porque as “situações climatéricas atípicas” têm-se refletido em “aumentos populacionais de algumas pragas”.

Este é um tema que a Câmara Municipal de Loures acompanha com grande proximidade pela relevância que o mesmo tem para a qualidade de vida das populações e perante os alertas dos especialistas sobre o efeito das alterações climáticas nesta área”, esclareceu fonte da autarquia.

Em Loures, estarão em curso intervenções nas freguesias de Loures, nas uniões de freguesias de Santo António dos Cavaleiros e Frielas, Moscavide e Portela, e Santa Iria da Azóia, São João da Talha e Bobadela. Já foram realizadas ações preventivas nas freguesias de Lousa e na União de Freguesias de Sacavém e Prior Velho. Para setembro e outubro, estão previstas ações nas freguesias de Bucelas, Fanhões, União de Freguesias de Camarate, Unhos e Apelação e União de Freguesias Santo Antão e São Julião do Tojal. “Em novembro, iniciar-se-á um novo ciclo de prevenção“, garantiu fonte da Câmara Municipal de Loures ao Observador.

Moradores denunciam sujidade. “Depois queixam-se das baratas”

Os moradores são os primeiros a denunciar a sujidade das ruas, junto aos contentores do lixo, e a admitir que essa pode ser a razão pela qual todos os anos aqueles concelhos são invadidos por pragas. “Depois queixam-se das baratas”, pode ler-se numa publicação de um morador, acompanhada por fotografias, onde se vê lixo junto a contentores.

Os moradores denunciam a sujidade das ruas e admitem que pode ser a razão das pragas de baratas

Fonte da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira não acredita que a sujidade nas ruas seja a raiz do problema, mas admite que “contribui para a proliferação não só de baratas, mas de outros animais.”

Para o sucesso deste trabalho [de controlo de pragas] é igualmente relevante a adoção de práticas adequadas pelos cidadãos no que respeita à correta deposição de resíduos”, alertou ainda fonte da Câmara Municipal de Loures.

A praga de baratas afeta o concelho de Vila Franca de Xira, pelo menos, desde 2016. Nesse ano, uma moradora chegou a ir a uma reunião pública da Câmara Municipal a alertar para este problema, recorda o jornal O Mirante. “O ano passado, depois de várias queixas, fizeram uma desbaratização que resolveu o problema. Mas agora está outra vez tudo na mesma. É um problema muito desagradável e urgente de resolver. Peço-vos”, disse a residente na sua intervenção. Na altura, o presidente Alberto Mesquita — que renovou o mandato — reconheceu a existência de um problema com baratas, especialmente no verão, e garantiu que eram feitas desbaratizações com frequência. Dois anos depois, o problema persiste.