Fernando Medina

Fernando Medina subiu ao Pico sem o registo inicial obrigatório: a multa pode chegar aos 4 mil euros

789

O presidente da Câmara de Lisboa fez o registo apenas na descida. A Direção Regional do Ambiente abriu um processo de contraordenação, mas não revelou identidades.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Fernando Medina subiu ao Pico de forma autónoma, isto é, sem efetuar o registo obrigatório na Casa da Montanha. Ao fazê-lo, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa incorre numa multa que pode chegar aos 4 mil euros, avança o semanário picoense Ilha Maior. Ao Observador, fonte do gabinete de Medina garante que este fez o devido registo no regresso, depois de descer do Pico.

Segundo o jornal açoriano, o autarca escalou a montanha do Pico no passado dia 24 de julho na companhia de dois familiares e não procedeu ao registo obrigatório na Casa da Montanha, num dia em que essa opção — subir de forma autónoma — estava esgotada e mais de 50 pessoas esperavam por uma vaga, cita também a RTP Açores. A grande procura, escreve o jornal, terá motivado Medina a subir ao Pico sem ter em conta as regras definidas pela Direção Regional do Ambiente e sem o equipamento de segurança que é cedido a todos os que sobem a montanha.

No passado dia 20 de agosto Fernando Medina partilhou na sua página de facebook um conjunto de fotografias relativas a uma viagem que fez aos Açores. Numa delas o presidente da CML é visto no topo do Pico. Na legenda lê-se: “Portugal tem lugares maravilhosos, como o são os Açores. Aqui fica o registo de uma viagem inesquecível pelo arquipélago e da subida ao ponto mais alto do nosso país, o vulcão do Pico”.

Fonte do gabinete de Fernando Medina esclareceu ao Observador que Fernando Medina regularizou a situação no regresso, depois de subir a montanha do Pico na companhia de um guia. “Ele registou tudo quando desceu, quando soube que tinha de se registar. Tinha uma marcação para ir com um guia, perdeu-se no caminho, chegou atrasado. Desencontraram-se onde era feito esse encontro. Atrasaram-se, tinham de partir e partiram. Quando desceu foi informado que tinha de se registar. Registou-se e pagou. Disseram-lhe que era um erro recorrente.”

Aos meios já citados, a Direção Regional do Ambiente confirmou a existência de um processo de contraordenação a três pessoas de nacionalidade portuguesa — dois homens e uma mulher –, todos residentes em Lisboa, que “liquidaram as taxas no momento da descida”. A mesma entidade “escusou-se a revelar identidades”. O processo foi encaminhado para a Inspeção Geral do Ambiente.

O acesso não autorizado à reserva natural da montanha do Pico é uma contraordenação ambiental leve, assegura a RTP Açores, punível com uma multa de que vai dos 200 aos 2.000 euros, em caso de negligência, e dos 400 aos 4.000 euros, em caso de dolo.

Segundo o regulamento em vigor, o acesso ao Pico pode ser efetuado de “forma autónoma ou através de um serviço prestado pelas entidades habilitadas”. A Casa da Montanha, que dá acesso ao Pico, cobra uma taxa de acesso independentemente da forma de ascensão. Nessa taxa (entre os 2 e os 20 euros, dependendo da extensão de caminho a trilhar) está incluído o equipamento, que inclui um localizador GPS, para que todas as pessoas sejam monotorizadas ao longo do trilho. No mesmo regulamento lê-se que o “acesso não autorizado”, entre outras situações descritas, é “punível como contraordenação ambiental leve nos termos da alínea a) do n.º 3 do artigo 149.º do Decreto Legislativo Regional n.º 15/2012/A, de 2 de abril”.

Segundo a mesma fonte consultada pelo Observador, Fernando Medina, que não tinha conhecimento que havia pessoas em lista de espera, não foi informado de qualquer processo instaurado pela Direção Regional do Ambiente. O presidente da CML não levou, no entanto, o respetivo equipamento de segurança cedido pela Casa da Montanha.

A casa da montanha é um ponto de paragem obrigatório na montanha do Pico, cujo principal objetivo é “apoiar quem pretende efetuar a subida à montanha, bem como efetuar o seu registo e controlo, de acordo com o regulamento em vigor”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida
673

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Segurança Social

Não tinha de ser assim /premium

Helena Matos
363

Em 1974, politicamente bloqueado, o país aguardava que os militares tratassem do assunto. O assunto era o Ultramar. Em 2019, o país está bloqueado de novo. O assunto chama-se Estado Social.

Administração Pública

A (Des)orientação ao Cidadão

Carlos Hernandez Jerónimo

Não basta produzir plataformas e sistemas mesmo que em co-criação com o cidadão, que apenas ligam dois pontos em linha reta e que ao mínimo desvio empurram o cidadão para o balcão e a fila de espera. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)