Ensino Superior

Maria Fernanda Rollo: residências universitárias “não se constroem de um dia para o outro”

161

A secretária de Estado do Ensino Superior admitiu que a subida dos preços nas duas grandes áreas metropolitanas "apanhou todas as pessoas de surpresa" e que a resposta não chegou a tempo.

Agência Nacional de Inovação

Os dados já são conhecidos e têm sido discutidos nos últimos meses: dos alunos matriculados no ano letivo de 2016/2017 no Ensino Superior Público, 42,3% estavam deslocados e, deste número, apenas 13% teve acesso a alojamento. Por outras palavras, as residências universitárias apenas conseguiram disponibilizar 15.370 camas para mais de 110 mil alunos deslocados.

“Sabemos que há um défice crónico na oferta de residências, o empolamento dos preços nas duas grandes áreas metropolitanas que ocorreu de um ano, um ano e pouco, a esta parte, é que apanhou todas as pessoas de surpresa”, referiu Maria Fernanda Rollo em entrevista à TSF. A secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior já tinha comentado antes que achava “impressionante” que a escalada de preços no arrendamento em Lisboa e no Porto pudesse levar um estudante a pagar 600 euros por um quarto em Lisboa e 450 por um no Porto.

Ainda este mês, foi noticiado que existem 30 edifícios públicos em vias de serem tornados residências universitárias, permitindo um acréscimo de 1.500 camas. Sobre estas residências, Maria Fernanda Rollo ressalva que estas residências “não se constroem de um dia para o outro” e que, apesar de já existir “intenção das instituições no Ensino Superior”, muitas delas ainda têm os projetos em curso e, por isso, “a resposta não veio a tempo daquilo que foi este boom impressionante”.

O que aconteceu foi que muitos espaços dedicados a aluguer de quarto que existiam, e continuam a existir, deixaram de estar disponíveis para os estudantes e passaram a estar associados a outros contextos, nomeadamente ao alojamento local para o turismo e isso fez escassear a disponibilidade de quartos para estudantes”, explicou a secretária de Estado do Ensino Superior.

O Governo apresentou, em maio, o Plano Nacional de Alojamento para o Ensino Superior (PNAES), que definiu que as instituições universitárias públicas e as autarquias vão poder recorrer a um fundo de reabilitação de edifícios se os quiserem disponibilizar para residências universitárias. Esta é uma medida que Fernanda Rollo destacou, ainda que as associações de estudantes exijam um maior envolvimento das autarquias e a criação de incentivos privados.

Um dos problemas que a governanta salientou passa pelo facto de ainda haver muitos senhorios que não passam recibo de renda (e inquilinos que aceitam isso), algo que constitui “um problema de economia paralela” e que tem levado a que o governo tome precauções, “no sentido de consciencializar os estudantes relativamente a isso”.

“Estamos a atuar ao nível dos benefícios fiscais para que haja estímulos no sentido de as pessoas que alugam os seus espaços para residência de estudante beneficiarem desses contextos”, disse ainda Fernanda Rollo, referindo que acredita que “no próximo ano as coisas porventura estarão menos complicadas”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)