Rádio Observador

Vhils

Festival criado por Vhils dá nova vida ao decadente Panorâmico de Monsanto

2.621

Festival Iminente, dedicado a expressões artísticas periféricas, faz renascer edifício histórico de Lisboa. Novidades foram conhecidas nesta quarta. Evento começa na sexta, com Bonga e Conan Osiris.

Autor
  • Bruno Horta

Está abandonado e em ruínas, mas é uma preciosidade lisboeta. Espantoso miradouro sobre a cidade, cenário de frescos e painéis cerâmicos dos artistas portugueses Manuela Madureira e Luís Dourdil, o Panorâmico de Monsanto vai agora ser palco do Iminente — Festival Urbano de Arte e Música, com início nesta sexta-feira e duração de três dias.

O artista visual Vhils (ou Alexandre Farto) é um dos criadores do evento e propôs à Câmara Municipal a revitalização deste espaço – depois de duas edições de Iminente em Oeiras. Em visita guiada na quarta-feira de manhã, Vhils disse ter uma “relação muito especial” com o Panorâmico, que conhece “há vários anos”, e revelou que o festival voltará a acontecer ali mesmo em 2019 e 2020. “É um espaço que tem muito para explorar e com o qual ainda se pode aprender muito”, afirmou o artista, de 31 anos.

As mudanças que se preparam podem ser de larga escala. O edifício tem vindo a ser recuperado pela Câmara de Lisboa, através da limpeza de entulho e de vidros partidos que se amontoavam desde há muito, a instalação de grades de segurança e o reforço de estruturas decadentes. Reabriu ao público há cerca de um ano e meio, já com nova cara, e conhece muitas centenas de visitantes ao fim de semana, segundo a presidente da Junta de Freguesia de Benfica, Inês Drummond, também presente na visita guiada.

Agora, com o Iminente, o Panorâmico vai “ganhar um novo potencial de utilização” e esse modelo poderá ser replicado noutras zonas da capital, sugeriu o presidente da Câmara, Fernando Medina, que se fez acompanhar por José Sá Fernandes, vereador do Ambiente, e Catarina Vaz Pinto, vereadora da Cultura.

Esta utilização era imaginável há dois anos e acho que depois do festival muita coisa vai mudar na forma como olhamos a potencialidade deste espaço”, afirmou Medina. “O espírito criativo que o Iminente introduz aqui, não só no Panorâmico como no parque florestal de Monsanto, fará surgir imensas ideias novas sobre como o espaço pode ser utilizado. Veremos a que é que isto nos leva. Há vários espaços em Lisboa que precisam deste tipo de arrojo. Para já, o maior projeto em que estamos envolvidos é a recuperação de toda a área da Manutenção Militar, uma fábrica que estava abandonada na zona oriental da cidade, e que será um espaço para empresas e artistas.”

A visita de quarta-feira, para a qual foram convocados os jornalistas, durou cerca de uma hora e levou responsáveis políticos e criadores do Iminente a quatro áreas principais do festival: Palco Principal (estrutura provisória para concertos), Palco Cave (onde surgem obras inéditas de Vhils e de João Louro), Primeiro Balcão (onde um DJ aparecerá de surpresa na sexta-feira) e o Panorâmico propriamente dito (cujos pisos superiores serão usados pela equipa e pelos artistas convidados, mas não pelo público).

O entorno será pontuado por intervenções e propostas de artistas visuais como André Saraiva, Francisco Vidal, ±maismenos±, VSP Crew, Wasted Rita ou Ricardo Jacinto. No primeiro dia, a partir da 16h00 e até cerca da uma da manhã, atuam Conan Osiris, Bonga, Omar Souleyman, Nástio Mosquito, Cumbadélica, Celeste Mariposa e Shaka Lion, entre outros. No sábado, destaca-se Norberto Lobo, Valete e DJ Nigga Fox. No domingo, Carlão, Sara Tavares e Gisela João. O bilhete diário custa 10 euros e só estão disponíveis 4.500 bilhetes por dia.

O Iminente vai na terceira edição anual e tem Vhils como um dos fundadores. A programação teve curadoria do próprio; da galeria de arte que ele criou, a Underdogs; e das editoras independentes de música Enchufada, Príncipe e Versus.

Aos jornalistas, o mais conhecido dos artistas portugueses que usam a rua como lugar de criação e exibição, descreveu o Iminente como “uma reunião de todas as subculturas urbanas, de Lisboa e Londres” (houve uma edição britânica em 2017 e deverá repetir-se ainda este ano).

Tentamos reunir aquilo que está iminente e a borbulhar em diferentes áreas artísticas: música, arte, dança e performance. Desta vez, houve abertura da Câmara para trazermos o festival para dentro da cidade de Lisboa. A intervenção no Panorâmico traz esculturas ou peças que quase não mexem no edifício, porque a ideia foi deixar o espaço o mais cru e honesto possível, respeitando o que já cá estava”, explicou Vhils. “Lisboa atravessa um grande momento, o que tem aspetos positivos e negativos. É berço de uma criatividade enorme, em diálogo com muitas outras cidades. Estas iniciativas são importantes para mostrar o contributo que as subculturas dão à cidade, apesar de muitas vezes não terem atenção ou espaço.”

Projetado por Chaves da Costa, o Panorâmico de Monstanto foi inaugurado em 1968 e é propriedade da Câmara Municipal, estando devoluto há quase duas décadas. Foi restaurante, discoteca, bingo, armazém e espaço de escritórios. Situa-se junto ao Parque da Serafina,  Estrada da Bela Vista, no alto de Monsanto.

Pedro Ferreira, designer do estúdio multidisciplinar Pedrita, colaborador do Iminente desde a primeira edição, disse que o projeto de intervenção no Panorâmico teve como principal desafio a existência de áreas interditadas, que não podem ter circulação por motivos de segurança. “Tivemos de tornar isso suave, para que o público sinta o espaço de forma harmoniosa. Colocámos paredes e portas de madeira, que criam circuitos dentro do edifício, e usámos algumas obras de arte e os palcos para quebrar o acesso. Um grande puzzle”, classificou.

Sobre a revitalização que o festival traz ao edifício, Pedro Ferreira afirmou que é “sobretudo uma revitalização do olhar das pessoas”.

Há estruturas novas, algumas provisórias, foram limpos os espaços verdes, existe alguma uma cosmética, mas não obras de fundo. O mais importante é o público voltar a olhar o edifício, apropriar-se dele. Ter aqui quatro mil pessoas por dia vai ser fascinante. Estou muito curioso para ver como o festival e o edifício reagem”, adiantou o designer.

Tanto Vhils como Fernando Medina sublinharam que o Iminente em Monsanto vai “respeitar” a área florestal circundante. “Pensámos o evento de forma muito prudente, com muito respeito pelo meio ambiente, e estamos aprender como utilizar esta zona de Lisboa de forma mais intensiva”, disse o autarca. Sobre a transformação deste edifício na sede da Proteção Civil, como tinha sido aventado há quatro anos, José Sá Fernandes respondeu categoricamente que a ideia já não está em cima da mesa.

À margem do tema da visita, o Observador questionou Medina acerca do Museu da Descoberta – uma proposta do autarca, ainda por concretizar, contestada por setores que lembram o papel de Portugal nas rotas da escravatura durante a época dos Descobrimentos. O presidente do município garantiu que não há novidades e remeteu para o Programa de Governo da Câmara para o período 2017 a 2021, no qual a proposta aparece inscrita.

Toda a informação sobre o Iminente aqui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)