Cinema

“Hora Feliz”: quatro amigas em crise no Japão de hoje

244

Com mais de cinco horas de duração, o filme de Ryusuke Hamaguchi vai estrear-se dividido em partes e é um notável retrato da vida de quatro mulheres japonesas. Eurico de Barros dá-lhe cinco estrelas.

Autor
  • Eurico de Barros

O mais próximo possível da realidade. É assim que nos sentimos no final das mais de cinco horas de “Hora Feliz”, o filme-maratona do japonês Ryusuke Hamaguchi (estreia-se dividido em partes). Trata-se de um “gendai-geki” (filme de temática realista e ambiente contemporâneo) que toma a forma clássica de um “woman’s picture” para contar a história de quatro amigas na casa dos 40, que vivem na cidade costeira de Kobe. O divórcio de uma delas, e a descoberta de factos da sua vida que as restantes desconheciam, vão causar fricções e fracturas no pequeno grupo. E levar as amigas a examinar as suas vidas conjugais e sentimentais, consultar os seus mostradores de felicidade, pesar os seus papéis na família e na sociedade, as relações com os que lhes são mais queridos, e as suas desilusões, interrogações e anseios. E vamos sendo mergulhados pouco a pouco no quotidiano de cada uma delas.

[Veja o “trailer” de “Hora Feliz”]

Formal, dramática e tematicamente, Hamaguchi invoca, em “Hora Feliz”, cineastas tão variados como Edward Yang, Rohmer, Cassavetes, e os seus compatriotas Ozu, Naruse e Mizoguchi. Mas o filme está muito longe de ser uma mera colecção bem camuflada de referências. “Hora Feliz” tem vida, tracção e identidade própria para lá delas. É um monumento de naturalismo, um trabalho de ourives sobre a verdade humana, social, emocional e psicológica das personagens, e uma radiografia detalhada e sensibilíssima das relações e dos hábitos sociais, culturais e familiares do Japão de hoje, que se estende ao mau-estar e às perplexidades sentidas nas nossas sociedades modernas . Sem esquecer a forma como os nipónicos funcionam uns com os outros e estão no mundo, o que não raras vezes escapa aos olhos ocidentais.

[Veja uma entrevista com o realizador Ryusuke Hamaguchi]

Para entendermos melhor este filme, há que saber que, para os japoneses, há sentimentos e pontos de vista que, por uma questão de educação e de reserva, se guardam para nós e os que nos são mais chegados,  e que a livre expressão de todas as opiniões em público não é bem vista. A narrativa de “Hora Feliz” constrói-se com base numa sucessão de encontros, refeições, viagens e conversas, públicas ou privadas, quase sempre regidas pela deferência, pelo subentendido e pelo omisso na manifestação de sentimentos e opiniões.  O que faz realçar ainda mais o efeito dramático e o choque emocional das revelações e das surpresas que se vão dando, e a forma como afectam as quatro amigas —  Jun, que se está a separar e que juntou as quatro originalmente,  Fumi, casada com um editor, Akari, em jejum de relações amorosas, e Sakurako, mulher de um funcionário público e mãe – e os que as rodeiam.

[Veja uma sequência do filme]

Há, aliás, duas longas sequências colectivas em “Hora Feliz”, só possíveis num filme com esta duração e todo este espaço narrativo para respirar á vontade, que Ryusuke Hamaguchi utiliza, a primeira, logo após o início, passada num “workshop” com um artista, para “lançar” esta ideia do estar retraído ou pouco à-vontade com o outro em grupo e da importância de o conseguir superar; e a segunda, já para o final, na apresentação do livro de uma jovem escritora, para fazer uma síntese do que esteve em jogo entre as personagens principais, no plano emocional e na percepção dos outros e dos seus comportamentos e sentimentos. E o realizador nunca permite que isto se torne pretensioso ou obscuro. “Hora Feliz” é, do princípio ao fim, um filme de uma enorme limpidez de descrição e exposição, e sempre delicadamente subtil.    

[Veja o “trailer” original do filme]

A procura do máximo de autenticidade na minuciosíssima encenação das vidas destas quatro mulheres e do mundo à sua volta, levou Hamaguchi a trabalhar com pessoas sem experiência de representação em vez de actores profissionais, para que as personagens estivessem o mais chegadas possível ao real “normal” e quotidiano. Na origem da fita está um “workshop” de improvisação dado em Kobe pelo realizador, e as personagens principais foram escritas com base nas suas próprias intérpretes.  As quatro actrizes de “Hora Feliz” – Sachie Tanaka, Hazuki Kikuchi, Maiko Mihara e Rira Kawamura – são extraordinárias de presença, naturalidade, justeza e interacção, tendo ganho, em conjunto, o Prémio de Melhor Interpretação Feminina no Festival de Locarno de 2015 (o realizador teve o de Argumento).

Nem credulamente optimista, nem banalmente pessimista, “Hora Feliz” é notável de escrita, observação e empatia, elaboração emocional e psicológica, direcção de actores, fluência narrativa, eficácia e elegância cinematográfica (ver o “leitmotiv” dos comboios que passam ou em que as amigas viajam). Ryusuke Hamaguchi dispensa bordões melodramáticos, estereótipos de caracterização e  facilidades de enredo, dando-nos quatro eloquentes retratos femininos e revelando em profundidade as personalidades e idiossincrasias, e as vidas afectivas, familiares e sociais deste grupo de mulheres, sem piedades, demagogias ou simplismos do feminismo pronto-a-consumir. Filme sóbria e delicadamente esmagador, “Hora Feliz” é imperdível por quem quer que se interesse pelo Japão, pela cultura nipónica e pelo cinema japonês, e um dos grandes acontecimentos da exibição em Portugal este ano.    

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)